Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Pódio teen: adolescentes também brilham no skate park

Vice-campeã Kokona Hiraki, de 12 anos, tornou-se a medalhista mais jovem da história; do Brasil, Rayssa Leal celebrou pódio da amiga Sky Brown

Por Luiz Felipe Castro Atualizado em 4 ago 2021, 15h56 - Publicado em 4 ago 2021, 09h53

A estreia da categoria park do skate, disputada em grandes rampas, proporcionou novas cenas de consagração e euforia juvenil. Assim como já havia ocorrido na prova de street, em que a brasileira Rayssa Leal, de 13 anos, conquistou a medalha de prata, garotas confraternizando, dançando e torcendo umas pelas outras, e subindo ao pódio, deram o tom da disputa nos Jogos de Tóquio na madrugada desta quarta-feira, 4, na Arena de Ariake.

A medalha de ouro ficou com uma atleta mais “experiente”: a japonesa Sakura Yosozumi, de 19 anos, com 60,09 pontos. Completaram o pódio duas skatistas cujas idades somadas chegam a 25 anos (marca considerada o auge físico para atletas de outras modalidades): a japonesa Kokona Hiraki, de 12 anos ficou com a prata, com nota de 59,04, e a nipo-britânica Sky Brown, de 13, foi bronze, com 56,47 pontos.

Kokona Hiraki, aliás, com 12 anos e 343 dias, tornou-se a medalhista olímpica mais jovem desta edição, superando a brasileira Rayssa Leal, a “Fadinha”, de 13 anos. A japonesa fez sua estreia em campeonatos mundiais em 2018, com apenas 10 anos de idade, e no ano seguinte já havia sido vice-campeã dos X Games em São Paulo.

  • A principal atração e favorita no evento, porém, era Sky Brown. Filha de pai britânico e mãe japonesa, ela nasceu no Japão, mas optou por competir pela Grã-Bretanha. No ano passado, ela passou por um grande drama ao sofrer um acidente nas pistas, no qual fraturou parte do crânio, quebrou o braço e sofreu lesões no coração e nos pulmões. Brown é bastante amiga de Rayssa Leal, da mesma idade. Direto de Imperatriz (MA), a brasileira postou um vídeo emocionada com a presença da britânica no pódio em Tóquio.

    O Brasil teve duas participantes na final do skate park: Dora Varella, de 20 anos, ficou na 7ª posição, com 40,42 pontos, e Yndiara Asp, de 23, que terminou em oitavo, com 37,34 pontos.

    Skate e surfe, duas modalidades que renderam medalhas ao Brasil, foram incluídos no programa dos Jogos Olímpicos em resposta a estudos encomendados pelo Comitê Olímpico Internacional (COI), que apontavam um desinteresse flagrante do público jovem no evento. O resultado foi imediato, com boa aceitação dos fãs nas mais variadas plataformas.

    Por não estabelecer idade mínima para os competidores, aliado ao fato de as jovens terem tamanho e elasticidade ideais para realizar as manobras, o skate viu surgir uma série de estrelas adolescentes, que foram devidamente acompanhadas em Tóquio por seus pais ou responsáveis.

    Enquanto atletas de elite mais velhas, como a ginasta Simone Biles (24 anos) e a tenista Naomi Osaka (23) vêm chamando a atenção para os danos que as pressões por resultados podem causar à saúde mental das atletas, as skatistas adolescentes vêm redefinindo o espírito olímpico com sua alegria contagiante e um ar quase descompromissado com a disputa. O futuro, porém, levanta questionamentos. Com a confirmação do skate nos Jogos de Paris-2024, como lidarão estrelas como Brown e Rayssa com o peso de repetir os feitos no início de sua vida adulta?

    Campeã Sakura Yosozumi comemora com Brown
    Campeã Sakura Yosozumi comemora com Brown Fazry Ismail/EFE

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade