Clique e assine a partir de 9,90/mês

Pierre Gasly, o piloto mais feliz (e sortudo) do GP Brasil de Fórmula 1

O francês da Toro Rosso conquistou o primeiro pódio da carreira no Autódromo de Interlagos

Por Danilo Monteiro - 17 nov 2019, 17h36

O vencedor do Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1 foi o holandês Max Verstappen, da Red Bull, mas quem roubou a cena no Autódromo de Interlagos foi o francês Pierre Gasly, da pequena Toro Rosso. O piloto de 23 anos conquistou o primeiro pódio da carreira ao herdar e defender bravamente o segundo lugar contra o hexacampeão Lewis Hamilton, da Mercedes.

Gasly fez um boa corrida e se manteve entre os melhores durante a maior parte do tempo, mas sem ameaçar o Top 6, que costumeiramente é dominado pelos pilotos da Ferrari, Mercedes e Red Bull. O francês, porém, conseguiu escapar dos vários incidentes que ocorreram no GP do Brasil e foi beneficiado pelas duas entradas do safety car.

“Minha última vitória foi na Fórmula 2 em 2016. Sempre sonhei com o primeiro pódio, mas nunca sonhei que isso poderia acontecer nesta temporada. Tivemos uma corrida muito boa, foi incrível conseguir essa posição. Sabia que o Lewis ia tentar algo, mas consegui segurar. Fizemos uma boa corrida e com a entrada do safety car eu pensei ‘bom, vamos ver o que acontece'”, disse Gasly, em coletiva.

O francês começou a escalada de posições depois que o motor de Valteri Bottas quebrou e ele precisou abandonar a corrida. Assistindo de camarote a briga por posições entre Sebastian Vettel e Charles Leclerc, companheiros de Ferrari, Gasly subiu para o quarto lugar quando eles colidiram. O sonho de pódio do piloto da Toro Rosso se tornou realidade quando Hamilton, na disputa pelo segundo lugar, acertou o carro de Alexander Albon, da Red Bull e deixou o caminho livre para Gasly.

A sorte, porém, deu lugar ao talento do francês, que defendeu o segundo lugar contra Hamilton em disputa emocionante na última volta, que só foi decidida na reta final. “A luta com Lewis foi intensa. Quando vi meu primeiro pódio em minha frente e o campeão logo atrás, me estiquei no cockpit para ver se me ajudaria a ter mais velocidade (risos). Pensei: ‘Por favor, não me passe na linha final, senão vou ficar muito chateado com você, Lewis. Queria muito chegar em segundo”, explicou Gasly, o mais animado piloto na coletiva e durante o pódio.

Publicidade