Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Pérez-Sala diz que Karthikeyan pode pilotar toda temporada

Madri, 17 fev (EFE).- O diretor da Hispania, o espanhol Luis Pérez-Sala, admitiu que o indiano Narain Karthikeyan pode pilotar para a escuderia durante todo o mundial, mas ponderou que ‘em Fórmula 1 não há nada garantido’.

‘A ideia é que pilote durante toda a temporada, mas em Fórmula 1 não há nada garantido, o piloto ganha o posto a cada corrida. Se as coisas continuarem como estão, Karthikeyan e Pedro (de la Rosa) pilotarão até o fim da competição’, declarou Pérez-Sala à agência indiana ‘Ians’.

Para Pérez-Sala, Karthikeyan, primeiro indiano a correr na Fórmula 1, é um piloto confiável. Em 2011, ele terminou sete das oito corridas que disputou.

‘Escolhemos por sua familiaridade com os membros da equipe. No ano passado, ele correu em oito das 19 corridas nossas e foi muito bem, terminou sete. Em sua última corrida na Índia obteve um grande resultado (décima posição) e ficamos muito satisfeitos com ele’, revelou o diretor da escuderia.

Karthikeyan ‘pode construir uma sólida associação com Pedro. É um piloto de intuição rápida e somente precisa ser um pouco mais consistente’, acrescentou Pérez-Sala.

O objetivo da equipe espanhola é terminar o mundial na frente da escuderia Marussia e à altura de Caterham (ex-Lotus).

‘Temos um novo carro e somos uma equipe nova, por isso estaremos um pouco atrás, mas às vezes para melhorar é preciso retroceder. Damos um passo atrás para dar dois para frente depois. Queremos crescer pouco a pouco, na medida em que transcorre a temporada’, explicou.

‘Se ficarmos na frente da Marussia estaremos felizes e se chegarmos perto da Catherham, então estaremos muito satisfeitos, mas nosso primeiro objetivo é melhorar a confiabilidade e progredir na medida em que a temporada avança’.

Karthikeyan poderá assumir o comando do novo carro da equipe em 1° de março em Barcelona, palco da segunda rodada de testes da pré-temporada, 15 dias antes do início do mundial de Fórmula 1 na cidade australiana de Melbourne. EFE