Clique e assine a partir de 9,90/mês

Pelé melhora e segue sem hemodiálise e fora da UTI

Exames do ex-jogador nesta quarta não apresentaram alteração em seu único rim

Por Da Redação - 3 Dec 2014, 10h24

Pelé passou por mais uma avaliação renal e segue mostrando evolução do quadro de sua saúde, sem a necessidade de retornar ao tratamento de hemodiálise (filtragem do sangue realizada por um aparelho). Na manhã desta quarta-feira, o Hospital Albert Einstein, em São Paulo, divulgou mais um boletim médico com boas notícias. Os médicos informaram que Pelé permanece sob cuidados de terapia semi-intensiva e que novos exames estão programados para a manhã de quinta-feira. O ex-jogador de 74 anos segue sem febre, caminha normalmente pelo quarto e permancece grande parte do dia sentado na poltrona.

Como informado nos boletins anteriores, Pelé alimenta-se bem, tem pressão controlada e respira sem a ajuda de aparelhos. Desde domingo, os médicos suspenderam o tratamento de hemodiálise. Como seu rim respondeu bem à ausência de aparelhos, Pelé deixou a UTI na terça-feira. Ele está internado desde o dia 24 de novembro, com infecção urinária causada por problemas renais.

Leia também:

Sem precisar de hemodiálise, Pelé deixa UTI e já caminha pelo quarto

Continua após a publicidade

Pelé retirou um dos rins quando jogava no Cosmos

Pelé mudou de quarto para ter privacidade, diz assessor

Com dor estomacal, Pelé cancela evento e é internado em São Paulo

Pelé foi ao hospital para uma consulta de rotina, pois havia sido submetido, pouco menos de duas semanas antes, a uma cirurgia para a retirada de cálculos renais, procedimento também realizado no Albert Einstein. Os médicos, no entanto, detectaram uma infecção urinária e decidiram pela internação.

Continua após a publicidade

O estado de saúde de Pelé piorou consideravelmente ao longo da semana passada, o que obrigou os médicos a transferi-lo para a UTI. Na quinta-feira, dia mais crítico desde a sua internação, ele apresentou quadro de “instabilidade clínica”, de acordo com boletim divulgado pelo hospital. O ex-jogador precisou tomar antibióticos poderosos para controlar uma infecção renal – que inicialmente não deram os resultados esperados – e medicamentos para controlar a pressão arterial, que havia caído de maneira preocupante. Na sexta, já recebendo o tratamento de hemodiálise, começou a apresentar melhora no quadro clínico. E, desde então, seu estado de saúde tem melhorado constantemente.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade