Clique e assine com até 92% de desconto

Para rever em casa: o primeiro ato de Michael Jordan no basquete

Há 18 anos, o ainda franzino "Pelé do basquete" fazia história pela Universidade da Carolina do Norte, na final da NCAA; confira o jogo na íntegra

Por Danilo Monteiro Atualizado em 30 mar 2020, 15h19 - Publicado em 25 mar 2020, 19h27

A década de 1980 marcou o início da ascensão da NBA a nível mundial. Magic Johnson, do Los Angeles Lakers, e Larry Bird, do Boston Celtics, elevaram a rivalidade de suas equipes e a popularidade do basquete. Os dois jogadores figuram entre os maiores da histórias e foram precursores do fenômeno Michael Jordan, que foi a peça fundamental para globalizar a liga americana de basquete. No dia 29 de março de 1982, ele deu o primeiro sinal do que se tornaria, quando converteu a cesta da vitória da Universidade de Carolina do Norte (UNC) sobre a Universidade de Georgetown, em uma das mais conhecidas e equilibradas finais da NCAA, o campeonato nacional americano de universidades.

  • Jordan ainda estava longe de ser o famoso fenômeno que o mundo clama como o maior da história do basquete, ainda era franzino e não era um grande arremessador. Naquela final, também não era o jogador mais famoso em quadra. O grande nome de UNC era o ala James Worthy, maior pontuador da final, com 28 pontos, e futuramente tricampeão da NBA com os Lakers. O pivô Patrick Ewing, que se tornaria lenda do New York Knicks, era o destaque de Georgetown e, apesar de ainda não ter o corpo de fisiculturista que teria na NBA, já assustava, com 2,13 metros, pelo atleticismo e poder defensivo.

    O pivô Patrick Ewing, de Georgetown, marcando Michael Jordan, ala-armador de North Carolina Getty Images/Getty Images

    Recém-chegado do ensino médio, Michael ainda não tinha cara de universitário, mas impressionava pela dedicação e obsessão pelos treinos, além do impulso vertical, que o possibilitava fazer grandes enterradas e pegar muitos rebotes. Contra Georgetown, Jordan liderou seu time em rebotes e capturou nove, contra 11 de Ewing, que era a âncora da equipe e assustava seus adversários. Os primeiros 10 pontos de UNC na partida, inclusive, não passaram pelo aro dos adversários, pois Ewing cometia, propositalmente, interferências ao pegar a bola quando ela já estava caindo em direção à cesta. Era uma forma, assumida por ele, de intimidar os oponentes, mostrando que não teriam pontos fáceis.

    O jogo era bem diferente do que os de hoje, ainda não existiam cestas de três pontos na NCAA até 1986 – sete anos mais tarde do que a NBA. O melhor arremesso, então, era o mais próximo possível da cesta, beneficiando o jogo dos pivôs, que por muitos anos foram as maiores estrelas do basquete. O estilo de jogo era completamente concentrado dentro do garrafão, enquanto armadores e alas rodavam a bola até encontrar espaço para os pivôs.

  • O próprio estilo de jogo da Universidade de Carolina do Norte não proporcionava a Jordan a chance de marcar os costumeiros 30, 40 e 50 pontos que fazia no Chicago Bulls. A equipe foi comandada pelo lendário técnico Dean Smith por 36 anos, conquistando 879 vitórias e dois títulos. O segredo da equipe de Smith era a disciplina e a humildade. Não importava o quão talentoso fosse o jogador, a primeira prioridade era o passe, era encontrar o companheiro melhor posicionado para arremessar ou fazer a bandeja. Worthy, por exemplo, era a grande estrela, mas teve média de apenas 15 pontos por partida em 1982. Jordan teve cerca de 13 pontos de média na temporada e marcou 16 na final contra Georgetown.

    A última jogada daquela final, que deu o título à Universidade de Carolina do Norte, é um exemplo do estilo Dean Smith. Após um pedido de tempo, o técnico desenhou a jogada para Michael Jordan, apesar dos 28 pontos de Worthy no jogo.  Smith sabia que a marcação seria implacável no ala e, por isso, fez seus jogadores rodarem a bola, fingindo buscar Worthy para o tiro da vitória, mas é possível vê-lo pedindo para Jordan correr para o espaço vazio atrás dele, enquanto ele atraia os marcadores para dentro do garrafão. Era o tempo e espaço mínimo para que Jordan arremessasse limpo, em uma das primeiras cestas da vitória de sua impecável carreira.

    Confira o jogo na íntegra:

    Continua após a publicidade
    Publicidade