Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Para Felipão, é a hora de confiar em um Brasil já aprovado

Contra Camarões, técnico dispensa os testes e confirma formação que iniciou este Mundial (e que venceu a Copa das Confederações). Ele aposta tudo nela

Por Giancarlo Lepiani, de Brasília 23 jun 2014, 11h03

“Confio na equipe que escalei em nosso primeiro jogo na Copa. Confio nos meus jogadores e todos eles sabem disso”, avisou o técnico

Na primeira grande decisão do Brasil nesta Copa do Mundo, o técnico Luiz Felipe Scolari apostará todas as suas fichas no que já deu certo no passado – ainda que não esteja dando tão certo assim hoje. Convicto de que será capaz de reeditar o bom futebol exibido na Copa das Confederações, em 2013, ele dispensou as experiências e improvisos antes da partida que fechará a fase de grupos, contra Camarões, nesta segunda-feira, às 17 horas (de Brasília), no Estádio Nacional Mané Garrincha. Na véspera do jogo na capital federal, Felipão confirmou o retorno de Hulk, substituído por Ramires no duelo com o México, e reeditou a equipe campeã no ano passado, a mesma que estreou na Copa vencendo a Croácia por 3 a 1. Mais do que corrigir os erros que impedem o time de repetir as apresentações de 2013, Felipão quer dar mais confiança aos seus titulares – alguns deles, como Fred e Paulinho contestados por um início pouco animador na competição.

Leia também:

Para impedir catástrofe, o Brasil aprova a tensão do 3º jogo​

Brasil e Argentina, rivais unidos pelos problemas e dúvidas

Continua após a publicidade

Depois de só empatar, a seleção espera criar mais e melhor

​Por que ainda crer na seleção (e do que desconfiar nela…)

“Confio na equipe que escalei em nosso primeiro jogo na Copa. Confio nos meus jogadores e todos eles sabem disso”, reforçou o treinador na véspera da partida em Brasília. “Somos um grupo, mas tem uma pessoa no comando, que lidera e precisa escolher quem joga. E eu decidi começar com o time que jogou na estreia.” Felipão, que ensaiou algumas alternativas nos treinos da semana passada na Granja Comary, afirmou que também já está convencido de quais mudanças poderá fazer na partida, tanto numa situação positiva, em que abrir vantagem no marcador de forma confortável, como numa adversidade, em que seria necessário buscar o resultado. “Já sei quais são as mudanças que devo fazer durante o jogo”, avisou. O Brasil tem três atletas suspensos: Thiago Silva, Neymar e Luiz Gustavo (além do reserva Ramires). Dante, Willian e Fernandinho, pela ordem, podem entrar caso o jogo esteja resolvido e Scolari queira evitar uma possível suspensão dos titulares por cartão amarelo.

Tentando proteger os jogadores da desconfiança surgida depois do empate sem gols com o México, em Fortaleza, o técnico revelou inclusive que faria uma atividade especial para tentar restaurar a confiança de seus titulares. “Estamos trabalhando nisso, fazendo um trabalho específico na concentração”, contou, sem detalhar como seria essa reunião, na noite de domingo, depois do treino de reconhecimento do gramado. “Pretendemos mostrar a eles todas as qualidades que eles têm”, limitou-se a dizer. Questionado sobre Paulinho, que até agora teve papel discreto na Copa, Felipão avisou que confia “cegamente” no volante, de quem gosta “como jogador e como pessoa”, e assegurou que “contra Camarões ele já estará num nível melhor”. Será assim com a equipe toda, espera o treinador. “No jogo contra o México nós já evoluímos, e vamos continuar evoluindo nesta segunda.� Estaremos numa situação física melhor e e numa situação tática melhor”, prometeu.

Continua após a publicidade
Publicidade