Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Para Felipão, Brasil chegará em bom ritmo à Copa de 2014

Treinador afirmou que a seleção estará no mesmo nível das outras equipes

Depois de convocar a seleção brasileira para os amistosos de outubro – contra a Coreia do Sul, no dia 12, e Zâmbia, no dia 15 -, o técnico Luiz Felipe Scolari valorizou os próximos adversários do Brasil e garantiu que o time vai chegar à Copa do Mundo de 2014 com o mesmo ritmo das equipes que disputaram as Eliminatórias. Ele comentava o fato de o Brasil ter apenas um amistoso em 2014 antes de disputar o torneio. “Quando chegar final de novembro, dezembro, ninguém mais joga. Todas as seleções que vão para a Copa só jogarão de novo em 5 de março (data reservada pela Fifa para a realização de amistosos) e ninguém vai ter mais o mesmo ritmo competitivo de antes.” Com vaga garantida para o Mundial por ser o país-sede, a seleção fará apenas mais cinco jogos de preparação antes da estreia na Copa.

Leia também:

Victor, Dedé e Lucas Leiva, as três novidades da seleção

Felipão: “Não quero prejudicar clubes no Brasileirão”

A virada da seleção – e o que você pode aprender com ela

A seleção brasileira se apresenta para os treinos para a Copa no dia 26 de maio, dois dias antes do previsto, depois do aval da Fifa para a liberação dos jogadores. “O nosso ritmo de competição vai depender do nosso trabalho de preparação para o Mundial com aqueles cerca de 20 dias que nós vamos ter”, disse Felipão. O treinador lembrou que terá de repetir a estratégia que adotou na Copa das Confederações, em junho, quando não teve muito tempo de preparação até a competição.

Leia também:

Após lesão muscular, Thiago Silva para por seis semanas

Confiante, Julio César espera voltar melhor após lesão

Com reputação restaurada, Brasil sobe em ranking da Fifa

A maior preocupação do treinador da seleção brasileira é com as lesões que ameaçam os jogadores na fase final de preparação para a Copa. Felipão não poderá contar com os titulares Júlio César e Thiago Silva, ambos lesionados, nos amistosos de outubro. “Todo jogo a gente fica com o coração na mão. Sempre é uma situação de desconforto pra gente quando a gente vê um dos nossos jogadores em situação de dificuldade.”

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

Apesar de enfrentar seleções que não estão no primeiro escalão do futebol mundial, o técnico do Brasil fez questão de valorizar o peso dos adversários nesta quinta. “Nós enfrentaremos a Coreia, que já está classificada para a Copa. Vamos enfrentar a Zâmbia, que jogava com Gana, e se vencesse, poderia ir ao Mundial. São estilos diferentes, vamos observar estes dois jogos para ver essas características e vermos como iremos nos comportar”, finalizou.

(Com Estadão Conteúdo)