Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Palmeiras tem plano para que torcida não prejudique clube

Partida do Campeonato Paulista, no Pacaembu, terá ação inédita no Pacaembu

Por Da Redação 14 mar 2013, 13h37

O Palmeiras jogará como mandante pela primeira vez desde a tentativa de agressão de membros da torcida organizada Mancha Alviverde em um aeroporto argentino, há exatamente uma semana. E o clube, rompido com a organizada, lançou campanha de consciência iniciada a partir deste jogo contra o Paulista, nesta quinta-feira, no Pacaembu. O clube avisou que começará a exibir faixas para evitar a violências antes dos jogos e nos intervalos das partidas. Entre as frases expostas estão as seguintes: “Não prejudique o seu clube de coração”; “Não arremesse objetos no campo”; “Não utilize sinalizadores ou fogos”; “Ajude na identificação dos infratores”; “Denuncie: ouvidoria@palmeiras.com.br”. A ação ocorre após o presidente Paulo Nobre anunciar que cortou as regalias das organizadas. A Mancha Alviverde, que credita a confusão no aeroporto a um gesto obsceno de Valdivia, se recusou a entregar os responsáveis pelo ato e criticou duramente o cartola.

Leia também:

Palmeiras convoca governo e rivais para punir bandidos

Torcida fere jogador do Palmeiras em aeroporto argentino

Palmeiras chega ao Brasil e sai escondido do aeroporto

Continua após a publicidade

Como torcedores vândalos ajudaram a derrubar o Palmeiras

As frases antiviolência, porém, não visam somente a Mancha. O ato também tem o objetivo de evitar novas punições ao Palmeiras, que no ano passado já foi castigado com perdas de mando de campo depois que torcedores lançaram objetos no campo do Pacaembu em derrota para o Corinthians. Por causa de uma confusão em Araraquara, o clube ainda atuará a mais de 100 quilômetros de São Paulo nos quatro primeiro compromissos como mandante na Série B deste ano. Torcedores que não fazem parte de organizadas já têm se manifestado em redes sociais de forma contrária à Mancha e outras facções. Antes mesmo da confusão em Buenos Aires, a discordância ficou clara na derrota para o Penapolense, quando a Mancha xingou Valdivia e ele foi exaltado pelo resto dos palmeirenses no Pacaembu. Gilson Kleina prefere ver a união de todos em prol do time. “Queremos jogar junto. O que mais pedimos é que a torcida nos apoie, e a grande maioria faz isso”, disse o técnico.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

(Com agência Gazeta Press)

Continua após a publicidade
Publicidade