Clique e assine a partir de 9,90/mês

Palmeiras pega o Tigre fora de casa querendo reabilitação

Time vem de derrota para o Libertad e conta com a volta do chileno Valdivia

Por Da Redação - 6 mar 2013, 07h15

Reabilitação é a palavra de ordem para o Palmeiras. O time enfrenta o Tigre nesta quarta-feira, às 19h45 (de Brasília), e precisa vencer para se manter com boas chances de classificação para os mata-matas da Copa Libertadores. O time tem 3 pontos e está em terceiro no Grupo 2, atrás do Sporting Cristal no saldo de gols, enquanto o Tigre é o lanterna, com duas derrotas nos primeiros dois jogos. O outro jogo da terceira rodada será no mesmo horário, entre o líder Libertad, com 6 pontos, e o Sporting Cristal, em Assunção.

Leia também:

Libertad vence o Palmeiras e é líder isolado do Grupo 2

O Palmeiras tem um desfalque importante: o meia Souza, que sofreu uma lesão no joelho e ficará um mês afastado. A ausência dele abre espaço para a volta do chileno Valdivia ao time titular – na semana passada, contra o Libertad, ele entrou no segundo tempo e teve participação pífia na derrota por 2 a 0. Seu principal momento foi ainda no primeiro tempo, no banco de reservas, quando reclamou da arbitragem e levou um cartão amarelo. O camisa 10, porém, não treinou nesta terça-feira, no reconhecimento do estádio Monumental Victoria, já que seu estado físico ainda desperta cuidado da comissão técnica. Outra novidade pode ser o atacante Kleber, que estreou contra o Libertad e também não se destacou, mas pode ser útil no jogo aéreo, arma que o técnico Gilson Kleina promete explorar. “‘As dimensões do estádio e o gramado irregular fazem da bola aérea uma opção interessante para esta partida. Eles vão usar muito este artifício e nós também precisaremos de um homem de referência em nosso time”, disse o treinador.

Continua após a publicidade

Kleber, de 1,87 metro, jogou no Porto até o começo do ano, mas já se mostrou familiarizado com o ambiente da Libertadores e comprou o discurso dos companheiros sobre a necessidade de jogar de forma dura – o que, segundo ele, falou contra o Libertad. “‘Faltou mostrar um pouco mais o que os caras mostraram, tem que dar uma chegada a mais. O futebol brasileiro é diferente do futebol deles. A Libertadores é agressiva, toda bola eles disputavam agressivos e nós, esperando. Serviu de lição”, disse o atacante. “Temos que entrar concentrados para não sermos pegos de surpresa. É marcar forte, sabendo que vai ter marcação forte da equipe do Tigre também. Eles vão jogar duro, mas nós vamos jogar mais duro ainda”, avisa o volante Vilson.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

O polêmico Tigre, que abandonou no intervalo a final da Copa Sul-Americana no ano passado, contra o São Paulo, alegando falta de segurança no Morumbi, ainda não se encontrou na Libertadores e não contará com o goleiro Danián Albil, expulso contra o Sporting Cristal. O técnico Nestor Gorosito sabe que a vitória é fundamental para a equipe manter as chances de classificação – os dois primeiros passam para as oitavas de final. “‘É um jogo fundamental para nós, porque se ganharmos vamos deixar o grupo aberto”, diz.

Publicidade