Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Oscar Maroni: ‘Bolsonaro está indo longe demais. A F1 não pode sair de SP’

Empresário conta que o faturamento de sua casa aumenta em até 60% durante o GP do Brasil e revela decepção com o presidente, de quem foi apoiador

O governador paulista João Doria ganhou um influente apoiador na disputa para manter o GP do Brasil de Fórmula 1 em São Paulo. O empresário Oscar Maroni, dono da casa noturna Bahamas, ressaltou os efeitos do evento para a economia paulistana e se disse decepcionado com o presidente Jair Bolsonaro, para quem fez campanha nas últimas eleições. “Bolsonaro, eu te admiro, mas você está indo longe demais”, afirmou Maroni, em entrevista a VEJA nesta terça-feira, 25.

Na tarde anterior, Bolsonaro, acompanhado do governador do Rio, Wilson Witzel, disse que há “99% de chance ou mais” de o GP se mudar, em 2021, de Interlagos para um novo autódromo, que será construído em Deodoro e batizado de Ayrton Senna. Nesta terça, o governador João Doria afirmou que não há nada fechado e que lutará para renovar o contrato de Interlagos, que se encerra em 2020. O diretor executivo da Fórmula 1, Chase Carey, esteve presente em ambas as reuniões e se limitou a dizer que espera que o evento permaneça em solo brasileiro.

Segundo levantamento da SPTuris, o GP do Brasil de 2018 teve um impacto econômico de 334 milhões de reais, maior que outros grandes eventos na cidade (220 milhões do Carnaval e da Virada Cultural e 180 milhões de reais do Revéillon). Na entrevista abaixo, Oscar Maroni revelou que o faturamento do Bahamas cresce em até 60% durante o fim de semana de automobilismo e não poupou críticas ao Rio de Janeiro e a seu prefeito, Marcelo Crivella.

O senhor acredita que a Fórmula 1 pode deixar São Paulo depois de mais de trinta anos? Com certeza não, porque, como diz uma piada que se espalhou pelas redes sociais, no Rio de Janeiro não tem Bahamas, Café Photo, Bomboa  nem Scandallo, e o turista não vem aqui só para ver a Fórmula 1, mas, principalmente, para transar.

Qual o impacto do GP do Brasil em seus negócios? Tenho 45 anos de noite e o Bahamas há 39 anos. A cada dois anos, acontece simultaneamente o GP do Brasil e o Salão do Automóvel, e nestes casos o meu faturamento aumenta de 50 a 60%. Isso é um termômetro do quanto de dinheiro a F1 movimenta na cidade em hotéis, bares, restaurantes, casas noturnas, lojas, táxis, etc.

Por que acredita que o Rio de Janeiro pretende sediar o evento? É claro que há interesse político. O Rio já tem uma série de atrativos turísticos, além de suas belas praias. Aliás, o prefeito Crivella não consegue dar conta nem daquela passarela. Eu até o aconselho a ligar para o tio dele, o Edir Macedo, e pedir que ele rezar mais. Porque o Edir Macedo tem ligação direta com Deus, se pagar 10% o Edir Macedo resolve tudo. Mas o que é o Rio hoje? Vamos mostrar para o mundo todo que a criminalidade da cidade é terrível? Os bandidos já devem estar comprando um novo estoque de armamento. Isso é nocivo para o país.

Acredita que o Rio não tenha estrutura para receber um evento como este? O que sei é que temos em São Paulo uma estrutura igual ou melhor que a do Rio, temos nossos shoppings, que são nossas praias, não temos a criminalidade na proporção e na concentração do Rio de Janeiro, aqui é mais na periferia. Temos uma polícia militar que é mais eficiente e até nossos governantes, apesar de ter coisas do João Doria e do Bruno Covas de que eu não gosto, são melhores. Interlagos é uma festa, a cidade se embeleza, vêm turistas do Brasil inteiro, do exterior. E agora, vão fazer a mesma coisa que fizeram com a Olimpíada? Gastar dinheiro do contribuinte para isso? Que vergonha! E ainda batizar de Ayrton Senna, que palhaçada. O Senna deve estar se revirando no túmulo.

O senhor é um confesso apoiador de Bolsonaro. O que vem achando da atuação dele neste caso? Vou mandar este recado diretamente a ele: Bolsonaro, gosto de você, fiz sua campanha, mas você está me decepcionando. Eu sou aquele maluco consciente que distribuiu cerveja quando o Lula foi preso. Eu sou radicalmente contra o PT, apesar de já ter sido petista, o que me envergonha. Bolsonaro, eu te admiro, mas você está indo longe demais. Quem vai pagar esse autódromo em Deodoro somos eu e você. O nosso país está nesse caos porque não respeita o dinheiro público. Para que construir outro autódromo? Para distribuir verbas? Pô, Bolsonaro, não é mais dando que se recebe! E se pegássemos esse dinheiro e construíssemos mais hospitais? Ô Crivella, você é todo bíblico, pastor: onde está o amor ao próximo?

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Roberto Melo

    Duas indagação bem simples: 1) O que é uma “casa noturna”? 2) Por que, durante a F1, aumentaria em 60% o faturamento dos referido estabelecimento comercial? Isto seria um motivo a ser alegado, ou o Oscar Maroni (parece nome de prato com frutos do mar) estaria legislando em causa própria (e dos clientes, claro!)?

    Curtir