Clique e assine a partir de 9,90/mês

Os cinco momentos marcantes do Flamengo na Libertadores

Relembre os principais feitos da equipe no caminho ao título da Libertadores

Por Alexandre Senechal - 24 nov 2019, 15h01

O Flamengo teve dois técnicos, momentos de tensão, chance real de eliminação e uma goleada histórica na edição de 2019 da Copa Libertadores da América. Com o artilheiro da competição Gabigol, que marcou nove vezes, uma equipe entrosada e a arrancada após a chegada do português Jorge Jesus, o rubro-negro chegou ao seu segundo título da competição depois de 38 anos.

A vitória contra o River Plate teve o artilheiro Gabigol como personagem principal depois dos dois gols nos últimos minutos do jogo. A campanha teve outros destaques. Positivos e negativos. Relembre os cinco principais momentos do Flamengo na Libertadores:

1) O sufoco na primeira fase e a classificação no primeiro lugar do grupo

De Arrascaeta, do Flamengo, é marcado por Gonzalez , do Peñarol, em partida válida pela Copa Libertadores Andres Stapff/Reuters/Reuters

O Flamengo começou bem. Com o técnico Abel Braga no banco de reservas durante toda a primeira fase da Libertadores, estreou contra o San José na altitude de Oruro, na Bolívia, graças a gol único de Gabigol. O caminho, porém, foi problemático. A equipe perdeu para o Peñarol no Maracanã – com direito a expulsão do artilheiro flamenguista – e foi derrotado pela LDU em Quito, no Equador.

Com a soma dos resultados, o Flamengo chegou a última rodada, em jogo contra o Peñarol, no Uruguai, precisando de um empate para garantir a classificação para a segunda fase. O rubro-negro jogou bem, mas não conseguiu marcar gols. No final, o 0 a 0 colocou o Fla na liderança do grupo, a LDU em segundo e o Peñarol, eliminado, em terceiro. As três equipes somaram 10 pontos no grupo D da Libertadores.

2) Estreia de Jesus com derrota no Equador e risco de eliminação

Rafinha teve muitas dificuldades para jogar no ataque na partida do Flamengo contra o Emelec, válida pelo jogo de ida das oitavas de final da Libertadores 2019, no Estádio Banco del Pacifico Capwell, em Guaiaquil, no Equador Franklin Jacome/Getty Images

O Flamengo voltou a sofrer na Libertadores na fase de oitavas de final. Nada deu certo para a equipe no primeiro jogo de Jorge Jesus na competição e a equipe acabou derrotada por 2 a 0 para o Emelec, no Equador, com gols de Caicedo e Godoy. O técnico português havia acabado de chegar e foi muito criticado por suas escolhas – algo impensado atualmente.

Jesus escalou o lateral-direito Rafinha como atacante pela direita e o jogador não se encontrou. Para piorar, fez as três substituições cedo demais e perdeu Diego com uma fratura no tornozelo esquerdo aos 25 minutos do segundo tempo – ficou com 10 homens assim como o Emelec, que teve Vega expulso 17 minutos antes. O Flamengo precisaria ganhar por três gols no Rio de Janeiro para se classificar ou fazer 2 a 0 para levar a decisão para os pênaltis.

Continua após a publicidade

3) Classificação no Maracanã nos pênaltis e início da arrancada

O goleiro do Flamengo Diego Alves pega pênalti durante disputa contra o Emelec, pela Libertadores – 31/07/2019 Ricardo Moraes/Reuters

O fantasma das eliminações precoces assombrava o Flamengo mais uma vez. Desde 2010, o clube havia participado quatro vezes da Libertadores e nunca tinha conseguido passar pelas semifinais. Mas neste ano a história seria diferente. Com Gabigol inspirado, o time brasileiro conseguiu fazer o suficiente para levar a disputa para os pênaltis. Venceu por 2 a 0 com dois gols de seu artilheiro.

Nas penalidades, brilhou a estrela de Diego Alves. O goleiro havia sido vaiado pela torcida no final de semana após sofrer um gol de falta de Diego Souza, do Botafogo, mas deu a volta por cima defendendo a cobrança de Arroyo. Queiróz colocou o quarto pênalti dos equatorianos na trave e o Flamengo venceu a disputa por 4 a 2.

4) A volta à semifinal depois de 35 anos

Bruno Henrique comemora gol do Flamengo marcado contra o Internacional pela Libertadores – 21/08/2019 Alexandre Vidal/Flamengo/Divulgação

O rival na fase seguinte era brasileiro: Flamengo x Internacional. Um Maracanã lotado por 66.366 pagantes assistiu a um primeiro tempo sem gols. Mas Bruno Henrique, atacante que havia acabado de ser convocado por Tite para defender a seleção brasileira, decidiu a partida para o lado carioca. Dois gols e vantagem garantida para a volta no Beira-Rio.

O jogo em Porto Alegre teve um roteiro parecido na primeira parte. O Flamengo comandando as ações, mas nenhuma bola na rede para nenhum dos dois lados. O Inter conseguiu melhorar depois do intervalo e colocou emoção no duelo com o gol de Rodrigo Lindoso. Acuado, o time de Jorge Jesus só conseguiu empatar após um contra-ataque rápido de Bruno Henrique, que serviu Gabigol, livre, para empatar e colocar a equipe de volta à semifinal depois de 35 anos.

5) “Cincun!” A goleada sobre o Grêmio

Flamengo x Grêmio pela semifinal da Libertadores 2019, no Maracanã Kaio Lakaio/VEJA

O ápice da campanha aconteceu na última partida do Flamengo na Libertadores. Após o empate por 1 a 1 em Porto Alegre, os cariocas não tomaram conhecimento do Grêmio no jogo de volta no Maracanã. Com gols dos zagueiros Rodrigo Caio e Pablo Marí e dos atacantes Bruno Henrique e Gabigol (duas vezes), o rubro-negro anotou um inapelável 5 a 0 para se juntar ao River Plate na final da competição.

A torcida flamenguista, como não podia deixar de ser, abusou dos memes e relembrou de uma entrevista do técnico Jorge Jesus reclamando do número de pancadas que o time sofria. O português disse na ocasião que “cincun” era demais, referindo ao número cinco, que foi a quantidade de bolas que o Flamengo colocou nas redes do Grêmio.

Continua após a publicidade
Publicidade