Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Organização diz que protestos no Bahrein não preocupam

Responsável pela prova diz que população apoia realização da corrida no país

A organização do GP do Bahrein garantiu a realização da prova no domingo, apesar dos protestos na ilha localizada no Golfo Pérsico. Eles garantiram que os atos de violência dos manifestantes não ameaçam à corrida. Nesta quinta-feira, um novo conflito aconteceu na cidade de Manama. O GP do Bahrein é o principal evento esportivo do local e grupos contrários ao governo aproveitam a atenção da prova para protestarem.

Leia também:

Haddad diz que Fórmula 1 em SP está garantida

Organização confia que GP ficará em São Paulo

“Não há ameaça direta ao que acontecerá na pista”, disse o presidente do Circuito Internacional do Bahrein, Zayed Alzayani, que garantiu que os protestos acontecem em áreas isoladas, longe do circuito. Segundo Alzayani, a população do Bahrein apoiou a realização do GP. O dirigente revelou que a procura por ingressos subiu 20% em relação ao ano passado. São esperadas 25.000 pessoas no domingo. “Uma das diferenças da nossa corrida, em comparação com as outras provas ao redor do mundo, é que temos total apoio da nossa nação”.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

O GP do Bahrein enfrenta problemas com a violência dos manifestantes há mais de dois anos, sempre com atos contra o governo local. Em 2011, a prova foi cancelada por causa dos protestos. No ano seguinte, os atos se repetiram e integrantes da equipe Force India passaram por um incidente inesperado, quando uma bomba atrasou o retorno de uma van que os transportava e que passava por uma área onde manifestantes travavam um conflito com a polícia local. Apesar dos problemas, o GP foi realizado.

(Com Estadão Conteúdo)