Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Opositor critica Juvenal no caso de P.Miranda: Ultrapassado’

Líder do grupo de oposição do São Paulo, Edson Lapolla divulgou nesta sexta-feira um documento de reprovação à ideia de criação de um busto ao presidente Juvenal Juvêncio no CT de Cotia. Agora, completa as críticas ao falar da postura do mandatário em função da decisão de afastamento do volante Paulo Miranda do grupo na véspera do jogo contra a Ponte Preta, pelas oitavas de final da Copa do Brasil, situação que criou um grande mal-estar principalmente junto ao técnico Emerson Leão.

‘O Juvenal Juvêncio está ultrapassado, tem um estilo personalista, está criando esses problemas faz tempo, compra muitos jogadores. Hoje, o São Paulo está fora dos trilhos’, definiu o conselheiro do clube, em entrevista à Rádio Globo. ‘O ciclo dele terminou em 31 de dezembro de 2008’, emendou.

Edson Lapolla lidera uma batalha na Justiça contra a mudança de estatuto que permitiu a reeleição de Juvenal Juvêncio no São Paulo. O conselheiro da oposição crê que vários colegas já se arrependeram da decisão de manter o dirigente.

‘Tudo isso que está acontecendo faz parte do descontrole de uma diretoria que tem um comandante ilegal no cargo. Vem desde o ano passado, já virou rotina, um clube visto como time organizado, com dirigentes capazes. Estamos vendo esses desmandos agora’, lastimou.

Por fim, Edson Lapolla demonstrou novamente a sua ira pela decisão do Conselho Deliberativo em aprovar um busto a Juvenal Juvêncio no CT de Cotia. O conselheiro reconhece, contudo, o enfraquecimento do grupo de oposição no São Paulo.

‘Eu vou falar a verdade história da história da inauguração do CT de Cotia. O Juvenal teve pouco a ver com isso, foi inaugurado com o Marcelo Portugal Gouvêa. A Reunião co Conselho virou palanque da atual diretoria, ninguém da oposição se sente à vontade com isso. O busto é um absurdo, há tantos presidentes fizeram mais. O mérito foi do Marcelo Portugal Gouveia para comprar o terreno, junto com outros conselheiros que batalharam para convencê-lo’, disse Lapolla.