Clique e assine com até 92% de desconto

Opinião: Richarlyson, um homem exemplar numa sociedade doente

Homofobia prejudicou o jogador e, principalmente, os clubes que deixaram de contratá-lo. Melhor para o Guarani, que ganhou um reforço esportivo e moral

Por Luiz Felipe Castro Atualizado em 13 Maio 2017, 03h17 - Publicado em 12 Maio 2017, 19h57

Um jogador talentoso, campeão nacional, da Libertadores, do Mundial de Clubes e com passagem pela seleção brasileira é apresentado sob bombas de protesto. O outro, acusado de um crime bárbaro e ainda com problemas a resolver com a Justiça, é recebido com selfies e abraços de mulheres e crianças. Pode ser exagero comparar o caso de Richarlyson ao do goleiro Bruno, pois a maioria da torcida e da opinião pública apoiou a chegada do primeiro ao Guarani e condenou o Boa Esporte pelo apoio ao arqueiro. No entanto, a perseguição que sempre acompanhou a carreira do polivalente jogador com passagens por São Paulo e Atlético-MG evidencia o quão intolerante e irracional é a sociedade em que vivemos. E o problema parece se agravar no futebol, um dos meios mais machistas e, principalmente, cínicos que existe. Neste cenário, Richarlyson, ainda que sem querer, se tornou um símbolo de resistência extremamente importante.  

A moda (?) de chamar goleiros de “bicha” a cada tiro de meta, por exemplo, invadiu o futebol brasileiro nos últimos anos, vinda do México. Nem mesmo o combate da Fifa, que já puniu a seleção brasileira com multas, foi capaz de erradicar a boçalidade nos estádios. Os agressores defendem o argumento de que provocações fazem parte do esporte e que as arquibancadas possuem certas leis não escritas, nas quais preconceitos estão liberados sem que os responsáveis sejam considerados preconceituosos. “Geração nutella, frescura, mimimi”, são alguns dos “argumentos” usados. O ponto é: orientação sexual é ofensa? Não seria mais inteligente, por exemplo, gritar um quase pueril “frangueiro”? Isso, sim, é um insulto para um goleiro.

  • Richarlyson, de 34 anos, conviveu com bobagens deste tipo desde o início de sua carreira, o que sempre rendeu mais assunto do que seu bom futebol. A imprensa e as redes sociais também contribuíram para o atraso. “A homofobia veste verde”, estampou uma organizada do Palmeiras numa semana em que sua chegada era especulada. Anos antes, torcedores do São Paulo gritavam o nome de todos os seus jogadores, menos o de Richarlyson, apesar de todos os serviços prestados pelo jogador no Morumbi. Certamente, vários clubes do país também se acovardaram e se negaram a procurar o atleta, com medo das reações dos fanáticos. Pior para eles, já que Richarlyson conseguiu vencer todas as dificuldades. Ganhou muitos títulos e dinheiro e nunca se rendeu aos gritos dos ignorantes.

    O Guarani, único clube do interior a conquistar um Campeonato Brasileiro, em 1978, também foi exemplar. Fez jus a sua grandeza e apostou em Richarlyson, que estava afastado desde uma passagem pelo Goa FC, da Índia, no ano passado. Sua chegada foi um pedido especial do treinador Oswaldo Alvarez, o Vadão, que recentemente se destacou dirigindo a seleção feminina – mais um sinal de que é um homem despido de preconceitos. Imbecis montados em motocicletas jogaram bombas no estádio Brinco de Ouro da Princesa no dia da chegada de Richarlyson e um vereador ponte-pretano achou que seria engraçado dizer nas redes sociais que o volante era “o reforço certo no clube certo”. Felizmente, os dirigentes e a imensa maioria dos torcedores do Guarani demonstraram apoio ao atleta e orgulho em contar com um reforço de peso mesmo em tempos difíceis – o time disputa a Série B do Brasileirão.

    Pouco importa a orientação sexual de um jogador. Aos intolerantes, nunca é tarde para refletir: seja inteligente, não homofóbico.

    Continua após a publicidade
    Publicidade