Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Operários em choque. Uma das vítimas tinha três filhos

Segundo um companheiro de trabalho, Fábio Luiz Pereira, de 42 anos, era corintiano fanático, estava havia dois anos na cidade, era casado e tinha três filhas. A outra vítima é Ronaldo Oliveira dos Santos, de 44 anos

Por Victor Bonini 27 nov 2013, 14h51

Os dois mortos no acidente desta quarta-feira à tarde no Itaquerão são Fábio Luiz Pereira, de 42 anos, motorista e operador de munck (um caminhão-caçamba com braço mecânico para içar materiais), e Ronaldo Oliveira dos Santos, de 44 anos, montador da empresa Conecta. Pouco antes das 13 horas, o guindaste que içava o último módulo da estrutura da cobertura metálica do estádio tombou, provocando a queda da peça sobre parte da área de circulação do prédio leste, atingindo parte da fachada em LED. Segundo a Odebrecht, era a 38ª vez que esse tipo de procedimento ocorria na obra e uma peça de igual proporção havia sido instalada há pouco mais de uma semana no setor sul do estádio.

Leia também:

Guindaste cai sobre parte do Itaquerão e mata 2 operários Há 6 meses, Fifa exigiu pressa e ameaçou excluir estádio

Segundo um companheiro de trabalho, Fábio era corintiano fanático, estava havia dois anos na cidade, era casado e tinha três filhas. “Estava na proximidade do canteiro quando ouvi o barulho, muito forte. Corri para a casa de minha mãe soube do acidente e ainda vi retirarem um corpo, que me pareceu do Fábio”, contou Adilson Nascimento, de 43 anos, amigo de Fábio havia dez. “Liguei para a obra, confirmaram a morte e resolvi correr para cá.”

Leia também:

Haddad libera mais R$ 125 milhões para o Itaquerão

Continua após a publicidade

Com gramado e traves, estádio já poderia receber jogo

Dentro do canteiro, com acesso restrito, o clima entre os funcionários era de choque e indignação com a perda de colegas que trabalham na finalização da arena corintiana.

“Todo mundo está chorando muito lá dentro do canteiro. Todos os operários são muito amigos. O clima está pesado. Eu até vim mais cedo para o trabalho para dar um suporte aos amigos”, contou Adriano Pedro, de 30 anos, controlador de acesso, que trabalha na obra no turno de 19 horas às 7 horas.

Nota – O Corinthians emitiu uma curta nota o acidente e a homepage de seu site estava todo em preto com a palavra “Luto”. A íntegra da nota: “A diretoria do Sport Club Corinthians Paulista vem público lamentar profundamente o acidente ocorrido há pouco na Arena Corinthians.”

Homepage do Corinthians: luto
Homepage do Corinthians: luto VEJA
Continua após a publicidade
Publicidade