Clique e assine a partir de 9,90/mês

Operação busca suspeitos de matar botafoguense no Engenhão

Polícia do Rio já prendeu cinco integrantes da Torcida Jovem do Flamengo nesta manhã. Torcedor do Botafogo foi morto a golpes de espeto de churrasco

Por Da redação - Atualizado em 23 mar 2017, 12h43 - Publicado em 23 mar 2017, 11h58

A Polícia Civil do Rio Janeiro realiza nesta quinta-feira uma operação para prender os suspeitos de terem matado Diego Silva dos Santos, torcedor do Botafogo, antes do clássico contra o Flamengo, em 12 de fevereiro, no entorno do Engenhão. Segundo informações da Rede Globo, cinco suspeitos já foram presos e três estão foragidos. Todos são integrantes da Torcida Jovem do Flamengo. 

Cerca de 130 policiais cumprem 20 mandados de prisão contra 20 membros da torcida organizada – oito suspeitos de participação na morte do botafoguense e 12 acusados de outros crimes. Foram encontradas diversas armas na casa dos suspeitos, como porretes, morteiros e um soco inglês. 

Já foram detidos Rafael Camelo, diretor da Torcida Jovem, e outros integrantes, Vitor Portencio, Adonai Santos, Rogerio Silva Guinard e Herbert Sabino de Paula. Os suspeitos foragidos são Wallace Motta, presidente da organizada, Rafael Maggio Afonso, vice-presidente, e Fábio Pinheiro, conhecido como “Playboy.”

Diego tinha 28 anos e morreu após ser agredido por torcedores flamenguistas com um espeto de churrasco e sofrer hemorragia interna e externa. “O que aconteceu nos remete a era medieval. A gente sugere que os clubes e federações, CBF, Secretaria de esporte ou Ministério do esporte, tenham alguma atividade no que diz respeito ao controle (das organizadas) e que elas sejam regulamentas”, afirmou o delegado Rivaldo Barbosa, diretor da Divisão de Homicídios, em entrevista coletiva.

Polícia faz operação em torcida organizada do Flamengo
Material apreendido durante operação contra torcedores envolvidos na morte do torcedor botafoguense Jose Lucena/Futura Press/Folhapress
Publicidade