Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Olimpíada de Tóquio tem esportes estreantes — melhor para o Brasil

Visando atrair público mais jovem, COI promove novidades no programa olímpica. Equipe brasileira deve brigar por medalhas no skate e no surfe

Por Moreno Bastos Atualizado em 20 jul 2021, 15h26 - Publicado em 21 jul 2021, 08h00

O Comitê Olímpico Internacional (COI), de posse de estudos que apontavam uma relevante perda de audiência do público abaixo de 18 anos, decidiu incluir no programa dos Jogos de Tóquio modalidades que transitam bem entre os jovens, como skate, surfe e escalada esportiva, além de esportes populares no Japão, como beisebol e caratê. Melhor para o Brasil, que terá favoritos à medalha de ouro nas pistas e nas águas.

Confira, abaixo, quais são as novidades da Olimpíada, que será oficialmente aberta na próxima sexta-feira, 23, e vai até o dia 8 de agosto.

Surfe

O surfista brasileiro durante o Mundial de Surfe realizado em Pupukea, no condado de Honolulu, Havaí - 16/12/2018
Gabriel Medina é a maior estrela do surfe Koji Hirano/Getty Images

Ainda como “convidado”, o surfe estreará em Olimpíadas na praia de Tsurigasaki, a cerca de 100km de Tóquio. Quarenta surfistas, 20 homens e 20 mulheres, disputarão as medalhas. Cada país poderá ter, no máximo, dois representantes em cada gênero. Favorita no masculino, a equipe brasileira é formada pelo atual campeão e o vice mundiais, Ítalo Ferreira e Gabriel Medina. No feminino, Silvana Lima, duas vezes vice-campeã do mundo, e Tatiana Weston-Webb, atual 4ª colocada no circuito, estarão na briga. Arquirrival do Brasil, os EUA de John John Florence e Carissa Morre, e a Austrália, chegam com força máxima ao Japão. Além das estrelas, o público vai ver, entre os dias 25 e 28 de julho, surfistas de países com pouca tradição no esporte, como Argentina, Marrocos e Alemanha.

Marque na agenda: (horários do Brasil)

Continua após a publicidade

(masculino e feminino)

Primeira etapa e segunda etapa – 24 de julho (sábado) – a partir 19h

Terceira etapa – 25 de julho (domingo) – a partir das 19h

Quartas e semifinal – 26 de julho (segunda-feira) – a partir das 19h

Disputa do bronze e final – 27 de julho (terça-feira) a partir das 20h

  • Skate

    O skatista catarinense Pedro Barros
    O skatista catarinense Pedro Barros Paulo Vitale/VEJA

    Estreante na Olimpíada de Tóquio e já garantido em Paris-2024, o skate receberá 80 atletas (40 homens e 40 mulheres) de 26 países, na briga por medalhas. Divididos em duas disciplinas, Street e Park, as provas serão realizadas no Ariake Sports Urban Park. No Street, os competidores fazem rápidas manobras em corrimãos, escadas, rampas e outros obstáculos. Na grande “piscina” da modalidade Park, os skatistas misturam elementos do Street e das rampas do Vertical, sempre em busca das melhores notas. Com uma forte delegação que inclui Pâmela Rosa, Rayssa Leal, Letícia Bufoni, Pedro Barros e Kelvin Hoefler, alguns dos melhores skatistas da atualidade, o Brasil tem boas chances. Mas terá que superar a forte concorrência do Japão e dos EUA.

    Marque na agenda: (horários do Brasil)

    Continua após a publicidade

    Street masculino /eliminatórias e final – 24 de julho (sábado) – a partir das 21h

    Street feminino / eliminatórias e final – 25 de julho (domingo) – a partir das 21h

    Park feminino /eliminatórias e final – 3 de agosto (terça-feira) – a partir das 21h

    Park masculino / eliminatórias e final – 4 de agosto (quarta-feira) a partir das 21h

    Escalada esportiva

    Austríaco Jakob Schubert é uma das estrelas da modalidade
    Austríaco Jakob Schubert é uma das estrelas da modalidade Marco Kost/Getty Images

    A primeira experiência olímpica obrigou a escalada esportiva a passar por uma adaptação. O motivo para a mudança – que gerou polêmica – envolve desde a quantidade de medalhas disponíveis em Tóquio, até a intenção de popularizar o esporte. O formato “combinado” envolve as três principais categorias da escalada: Velocidade, Boulder e Dificuldade. Nesta Olimpíada, que contará com 40 escaladores (20 mulheres e 20 homens), o ouro será dado ao atleta que tiver o melhor resultado em cada uma das categorias, obtendo o menor número de pontos. Apesar do favoritismo do austríaco Jakob Schubert, do tcheco Adam Ondra e da eslovena Janja Garnbret, o formato da disputa, polêmico entre os atletas, deve aumentar o nível de competitividade e emoção da prova.

    Marque na agenda: (horários do Brasil)

    Continua após a publicidade

    Masculino – Eiminatórias – 3 de agosto (terça-feira) a partir das 5h

    Feminino – Eliminatórias – 4 de agosto (quarta-feira) a partir das 5h

    Masculino – Final – 5 de agosto (quinta-feira) – a partir das 5h30

    Feminino – Final – 6 de agosto (sexta-feira) – a partir das 5h30

    Caratê

    Ken Nishimura, do Japão, e Rafael Aghayev (blue) of Azerbaijan compete in the Men’s Kumite -75kg final on day three of the Karate 1 Premier League at Nippon Budokan on September 8, 2019 in Tokyo, Japan. (Photo by Kiyoshi Ota/Getty Images)
    Ken Nishimura, do Japão, e Rafael Aghayev, do Azerbaijão Kiyoshi Ota/Getty Images

    Incluído apenas no programa dos Jogos de Tóquio, por sua popularidade e valor histórico, o Caratê, arte marcial japonesa criada ainda no século XVII, levará 82 atletas de 36 países às Olimpíadas. Destes, 61 “caratecas” (31 homens e 30 mulheres) buscarão medalhas no Kumite, disciplina em que há luta entre os oponentes e será dividida em três pesagens, por gênero: 67KG, 75kg e +75kg (masculino) e 55kg, 61kg e +61kg (feminino). Entre os favoritos, Rafael Aghayev, do Azerbaijão, e a chinesa Yin Xiaoyan. Os outros 21 competidores (10 mulheres e 11 homens) disputam o Kata, categoria em que o atleta é avaliado após apresentar uma série de movimentos de defesa e ataque. Nesta disciplina, os olhos estarão atentos a rivais históricos, os espanhóis Sandra Sanchez e Damian Quintero, e os donos da casa Kiyou Shimizu e Ryo Kiyuna.

    Marque na agenda: (horários do Brasil)

    Continua após a publicidade

    4 de agosto – (quarta-feira) – das 22h às 3h05 (dia 6/8)

    5 de agosto – (quinta-feira) – das 5h às 9h40

    5 de agosto (quinta-feira) – das 22h às 2h55 (do dia 6/8)

    6 de agosto (sexta-feira) – das 5h às 9h40

    7 de agosto (sábado) – das 2h às 8h45

    Beisebol

    Vista aérea do Azuma Stadium, em Fukushima
    Vista aérea do Azuma Stadium, em Fukushima Kyodo News/Getty Images

    Uma das paixões esportivas do Japão, o beisebol retorna a uma Olimpíada depois de 13 anos, mas segue vacilante em suas tentativas de se estabelecer no quadro olímpico. Em 2024 ele não estará em Paris, mas talvez reapareça nos Jogos de Los Angeles 2028. Em Tóquio, o favoritismo é da selecão anfitriã e líder do ranking mundial. A Coreia do Sul, última campeã olímpica (em Pequim 2008) pode surpreender, assim como os Estados Unidos, apesar de não levar atletas de ponta da MLB (a liga norte-americana de beisebol). Além dos três, Israel, México e República Dominicana completam o torneio. Divididos em dois grupos, as equipes jogam entre si e depois todos participam da fase eliminatória, que vai indicar os medalhistas.

    Marque na agenda: (horários do Brasil)

    Continua após a publicidade

    Fase de grupos

    de 27 de julho (terça-feira)  a 31 de julho (sábado)

    Eliminatórias

    de 31 de julho (sábado) a 3 de agosto (terca-feira)

    Semifinal

    4 (quarta-feira) e 5 de agosto (quinta-feira)

    Disputa pelo Bronze

    6 de agosto (sexta-feira) / a partir das 00h

    Final

    7 de agosto (sábado) / a partir das 7h

    Softbol

    Fora de Londres 2012 e Rio 2016, o softbol retorna aos jogos na condição de convidado em Tóquio. Mas, nutrido pela rivalidade entre as seleções japonesa e a americana, as duas melhores equipes do mundo, o esporte deverá atrair grande audiência. Assim como no beisebol, seis países estarão no páreo: além das atletas do Japão e dos EUA, Itália, Canadá, México e Austrália completam a lista de classificadas. Em grupo único, todas jogam entre si. Primeiro e segundo lugares disputam o ouro. A terceira e a quarta melhores equipes se enfrentam pelo bronze. Como forma de homenagem, as duas primeiras rodadas do softbol (e uma partida de beisebol) serão realizadas no estádio Azuma, na cidade de Fukushima, arrasada por um tsunami em 2011.

    FUKUSHIMA, JAPAN - JULY 20: A general view of the Fukushima Azuma Stadium ahead of the Tokyo 2020 Olympic Games on July 20, 2021 in Fukushima, Japan. (Photo by Yuichi Masuda
    Jogos de softbol serão disputados em Fukushima Yuichi Masuda/Getty Images

    Marque na agenda: (horários do Brasil)

    Continua após a publicidade

    Fase de grupos

    de 20 de julho (terça-feira) a 26 de julho (segunda-feira)

    Disputa pelo Bronze

    27 de julho (terça-feira) / a partir das 1h

    Final

    27 de julho (terça-feira) / a partir das 8h

    Basquete 3 x 3

    Seleção brasileira de basquete 3x3 durante Mundial disputado nas Filipinas em 2018
    Seleção brasileira de basquete 3×3 durante Mundial disputado nas Filipinas em 2018 FIBA/Divulgação

    Jovem fruto do streetball (basquete de rua), criado nos parques dos Estados Unidos e espalhado pelo mundo, o basquete 3×3, reconhecido apenas em 2007 pela FIBA (Federação Internacional de Basquete), faz sua estreia olímpica. Jogado em meia quadra, a modalidade possui outras diferenças em relação ao basquete tradicional (5×5). Os jogos duram 10 minutos ou quando uma equipe atinge os 21 pontos. Além disso, as cestas valem 1 ou 2 pontos. Oito países, por gênero, disputam o campeonato. Berço do melhor basquete do mundo, os EUA só terão representantes no feminino. Composta por atletas da WNBA, elas rivalizam com França, Rússia e China pelo favoritismo. No masculino, a briga pelo ouro deve ficar entre Sérvia, China e Rússia.

    Marque na agenda: (horários do Brasil)

    Continua após a publicidade

    (masculino e feminino)

    Fase de Grupos

    de 23 de julho (sexta-feira) a 27 de julho (terça-feira)

    Quartas de finais

    27 de julho (terça-feira) a partir das 8h30

    Semifinais

    28 de julho (quarta-feira) a partir das 5h

    Disputa pelo Bronze e finais

    28 de julho (quarta-feira) a partir das 8h45

    BMX estilo livre – ciclismo

    Apesar de fazer parte do ciclismo, o BMX freestyle não tem muito a ver com as corridas. Assemelha-se ao skate, outro estreante olímpico dos esportes radicais. Isso porque a modalidade, que em Tóquio será representada pela disciplina “Park”, consiste em realizar em um minuto, dentro de uma pista repleta de rampas e obstáculos, manobras que são avaliadas por aspectos como altura e criatividade. Dezoito atletas (9 homens e 9 mulheres) representarão 11 países no Ariake Urban Sports Park. Mas, quando o assunto é a medalha de ouro, a briga fica mais concentrada. Maior fenômeno do esporte, Hannah Roberts, dos EUA, já é tricampeã mundial aos 19 anos e está sobrando diante das rivais. Entre os homens, o australiano Logan Martin, bicampeão do mundo, é o favorito.

    Marque na agenda: (horários do Brasil)

    Continua após a publicidade

    (masculino e feminino)

    Fase classificatória

    30 de julho (sexta-feira) / a partir das 22h10

    Finais

    31 de julho (sábado) a partir das 22h10

    Disputas mistas

    Além da busca por um público mais jovem, com a inclusão de novas modalidades, como surfe e o skate, a Olimpíada de Tóquio também ficará marcada pela maior participação das mulheres. No Japão, elas serão 48,8% dos atletas. Uma das estratégias para aumentar a presença feminina foi o acréscimo de provas mistas no programa. Se antes só o hipismo possuía esta característica, agora homens e mulheres, juntos, vão em busca de medalhas para seus países em mais sete modalidades: Natação, Atletismo, Tênis de mesa, Triatlo, Tiro com arco, Tiro Esportivo e Judô. Neste último, a equipe mista do Brasil chega com boas expectativas depois de conquistar o bronze no mundial, em junho passado. Entre os rivais mais fortes, estão Japão e França.

    Marque na agenda: (horários do Brasil)

    Continua após a publicidade

    Natação – 4x100m medley

    Eliminatória

    29 de julho (quinta-feira) / a partir das 7h

    Final

    31 de julho (sexta-feira) a partir das 22h30

    Atletismo – 4x400m

    Eliminatórias 1ª etapa

    30 de julho (sexta-feira) / a partir das 7h

    Eliminatórias 2ª etapa

    31 de julho (sábado) a partir das 7h

    Tênis de mesa

    Oitavas de final

    23 de julho (sexta-feira) / a partir das 21h

    Quartas de final

    24 de julho (sábado) / a partir das 22h

    Semifinal

    25 de julho (sábado) a partir das 8h

    Disputa pelo Bronze e Final

    26 de julho (segunda-feira) a partir das 8h

    Triatlo

    30 de julho (sexta-feira) / a partir das 19h30

    Tiro com arco

    Oitavas de final

    23 de julho (sexta-feira) / a partir das 21h30

    Quartas de Final / Semifinal / Disputa pelo Bronze e Final

    24 de julho (sábado) a partir das 2h15

    Tiro Esportivo

    Pistola de ar 10m e Carabina de ar 10m

    Fase classificatória / Finais

    26 de julho (segunda-feira) / a partir das 21h

    Fossa Olímpica

    Fase classificatória / Finais

    30 de julho (sexta-feira) a partir das 21h

    Judô

    Oitavas / Quartas / Repescagem / Semifinal

    30 de julho (sexta-feira) / a partir das 23h

    Disputa pelo bronze e Finais

    31 de julho (sábado) a partir das 5h

    Continua após a publicidade
    Publicidade