Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Oficial sugere três anos de prisão domiciliar a Pistorius

Ele foi declarado inocente de matar a namorada intencionalmente com quatro tiros. Agora, receberá pena por homicídio culposo - sem intenção de matar

Por Da Redação 13 out 2014, 13h05

Um mês depois de ter sido inocentado da acusação de homicídio doloso (com intenção de matar), o que o livrou de prisão perpétua, Oscar Pistorius voltou ao banco dos réus nesta segunda-feira, em Pretória, na África do Sul. Julgado pelo assassinato da modelo Reeva Steenkamp, o astro paralímpico já foi declarado culpado pelo crime de homicídio culposo (sem intenção de matar) e espera sentença, que deve acontecer até o fim da semana.

Leia também:

Pistorius é considerado culpado pela morte da namorada

Pistorius é inocentado da acusação de crime premeditado

Nesta segunda, o assistente social Joel Maringa, oficial do Departamento de Serviços Penitenciários, sugeriu à juíza Thokozile Masipa que Pistorius recebesse uma pena de três anos de prisão domiciliar, além de 16 horas de serviço comunitário por mês durante este período, e ainda defendeu a possibilidade de o atleta ser liberado para treinar e voltar às competições. Ao ouvir a sugestão de Maringa, o promotor do caso, Gerrie Nel, chamou a proposta de “chocantemente inapropriada”.

Leia também:

Oscar Pistorius vende a casa para pagar os advogados

Pistorius tem tendências suicidas desde a morte de Reeva

Pistorius admitiu que fez os quatro disparos que mataram Reeva no dia 14 de fevereiro de 2013 e alegou que confundiu a namorada com um intruso na residência. A promotoria acusava Pistorius de ter premeditado o assassinato na suíte do casal na casa do atleta em Pretória, depois de uma discussão, ouvida por vizinhos.

Continua após a publicidade

De acordo com as leis sul-africanas, a pena de Pistorius pode variar entre o pagamento de multa até 15 anos de detenção. O promotor Nel pediu mais tempo para analisar documentos antes de chamar ao menos mais duas testemunhas nesta semana em que a sentença deverá ser anunciada.

Leia também:

Pistorius tem tendências suicidas desde morte da namorada

Exames apontam que Pistorius não tinha desordem mental

‘Ele chorava muito, sofria’, diz testemunha do caso Pistorius

Quebrado – A psicóloga Lore Hartzenberg, testemunha de defesa, disse no tribunal que Pistorius hoje é um “homem quebrado, que perdeu tudo”. Ela disse ter acompanhado o atleta por 18 meses e que ele é um paciente com quadro de depressão e stress pós-traumático. Nas sessões de terapia, ela afirmou ter visto um Pistorius arrependido, emotivo e sempre chorando demais. Com este testemunho, a defesa espera uma pena branda a Pistorius.

O atleta sul-africano, que competia com próteses nas duas pernas, foi o primeiro competidor paralímpico a disputar uma edição da Olimpíada, em Londres-2012. Além disso, tem oito medalhas paralímpicas, sendo seis delas de ouro.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade