Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Odair Santos leva prata e dá 1ª medalha ao Brasil na Paralimpíada

O atleta de 35 anos ficou em segundo na prova dos 5.000 metros T11 (cego total), na primeira final disputada no Engenhão

Odair Santos conquistou na manhã desta quinta-feira a primeira medalha do Brasil nos Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro. O atleta de 35 anos ficou com a prata na prova dos 5.000 metros T11 (cego total), na primeira final disputada no Engenhão. O pódio foi completado por dois quenianos: Samwel Kimani levou o ouro e Wilson Bill ficou com o bronze.

Odair ficou o tempo todo no pelotão de frente, e chegou a liderar a prova no início da última volta. Nos 200 metros finais, porém, Kimani conseguiu uma grande arrancada e fechou a prova com relativa vantagem. Ele venceu com a marca de 15min16s11, enquanto o brasileiro fechou em 15min17s55.

A prata representa uma espécie de redenção para Odair. No ano passado, ele liderava com folga a prova no Mundial de Doha, no Catar, quando sofreu uma hipertermia pelo excesso de calor e desmaiou a pouco mais de 100 metros da linha de chegada, tendo que ser conduzido para o hospital e ficando fora do pódio.

Leia também:
Daniel Dias busca 1ª medalha no Rio; as atrações desta quinta
Acendimento da pira tem queda, superação e aplausos
Emoção no Maracanã: Paralimpíada é aberta com festa espetacular

Com a medalha, Odair chega ao seu oitavo pódio em Jogos Paralímpicos. É seu segundo competindo pela T11 – o primeiro fora conquistado em Londres-2012, quando levou a prata na prova dos 1.500 metros. Antes, ele ainda competia em categorias para atletas com perda parcial da visão.

Além da medalha conquistada no Rio, Odair tem duas pratas (nos 1.500m e 5.000 metros) de Atenas-2004, bronze nos 8.000m, também nos Jogos da Grécia,  três bronzes em Pequim-2008 (10.000m, 5.000m e 800m) e a prata dos 1.500m de Londres-2012.

Nascido em Limeira (SP), Odair sofre de retinose pigmentar desde os nove anos e perdeu completamente a visão em 2010. Desde então, ele compete na categoria T11, para cegos, na qual deve competir vendado e com o auxílio de um guia.

 

 

(com Estadão Conteúdo)