Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Obras da Rio-2016 já mataram mais trabalhadores do que em todas as obras da Copa de 2014

Onze funcionários morreram em obras ligadas à Olimpíada desde 2013.

A Superintendência Regional do Trabalho e Emprego do Rio de Janeiro divulgou nesta segunda-feira um levantamento mostrando que 11 funcionários morreram em obras ligadas à Olimpíada do Rio de Janeiro desde 2013. O número já supera as oito vítimas das obras nas 12 cidades-sede da Copa do Mundo de 2014.

Três das onze vítimas morreram nas obras de extensão da Linha 4 do metrô carioca, duas na construção do Parque Olímpico, outras duas nas obras do Museu da Imagem e Som e Museu do Amanhã e o restante nas reformas do transporte, na ampliação do Elevado do Joá, a Transolímpica, e na Supervia.

Leia também:

Estrutura, zika, doping, terrorismo… As ameaças à Rio-2016​

COI vê Rio-2016 como ‘mensagem de esperança’ diante da crise no Brasil

Senado aprova R$ 490,5 milhões extras para a Rio-2016

“Isso tudo foi causado por falta de planejamento, sem dúvida. É a correria na hora de concluir”, comentou Elaine Castilho, auditora que coordena a fiscalização. “Os operários não podem ter jornadas de trabalho exaustivas. Se isso acontecer, suspenderemos as obras”, afirmou o superintendente Robson Leite.

Algumas obras chegaram a ser suspendidas por problemas como ausência de material de segurança e falhas no sistema elétrico. O superintendente ressaltou, também, que nos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, não ocorreram mortes.

Evento teste da natação teve queda de luz antes da disputa que tirou Cesar Cielo (foto) da Rio-2016 Evento teste da natação teve queda de luz antes da disputa que tirou Cesar Cielo (foto) da Rio-2016

Evento teste da natação teve queda de luz antes da disputa que tirou Cesar Cielo (foto) da Rio-2016 (/)

Energia – Um dos graves problemas relacionados à organização dos Jogos diz respeito ao fornecimento de energia. Na semana passada, houve queda de luz em dois eventos-teste no Parque Olímpico (ginástica artística e natação), o que gerou reclamação de atletas e federações. Os incidentes são consequência do atraso na definição sobre quem pagaria pela energia temporária durante a Olimpíada. Recentemente, o orçamento para o fornecimento de energia para a Rio-2016 sofreu um corte de 66 milhões de reais.

O Pré-Olímpico de Ginástica Artística, disputado na Arena Rio, teve pelo menos duas quedas de energia, enquanto o Troféu Maria Lenk, que aconteceu no Estádio Aquático Olímpico, teve a prova mais esperada, em que Cesar Cielo perdeu sua vaga na Olimpíada, adiada em 45 minutos por falta de luz. O problema já havia acontecido na inauguração do estádio, no início do mês.

Somente no fim de fevereiro, a pouco mais de seis meses do início da Olimpíada, foi decidido quem pagaria a conta. Em Londres-2012, a garantia foi dada 18 meses antes da abertura. O governo federal havia se comprometido a pagar a energia temporária até o teto de 290 milhões de reais, mas o valor só foi suficiente para garantir o pagamento relativo ao Parque Olímpico.

Pelos cálculos iniciais dos organizadores, seriam necessários mais 170 milhões de reais para garantir a energia temporária no Complexo Esportivo de Deodoro, na região do Maracanã, que inclui também o Engenhão, e de Copacabana. Caberia ao Estado arcar com o restante.

A crise financeira do Rio fez com que o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) encaminhasse em dezembro um projeto de lei à Assembleia Legislativa solicitando que os 170 milhões de reais fossem pagos mediante renúncia fiscal. A Light se propôs a instalar o sistema em troca de desconto na cobrança de ICMS.

A Assembleia aprovou a proposta no fim de fevereiro, mas com redução de 50% em relação ao pedido original, o que deixou um rombo de 85 milhões de reais a ser fechado pelos organizadores. O Comitê Rio-2016 refez as contas, readequou o projeto e cortou 66 milhões de reais entre o que havia sido proposto originalmente e o que está sendo implantado.

A entidade, porém, não esclareceu o que foi cortado. O custo final ficou em 104 milhões de reais e o próprio comitê se comprometeu a pagar a diferença de 19 milhões de reais.

Diretor de Esportes do Comitê Rio-2016, Rodrigo Garcia reconheceu os problemas, mas afirmou que existe “risco zero” de isso se repetir na Olimpíada. “Energia é um tema que a gente está estudando muito, mas, para os eventos-teste, é uma configuração totalmente diferente. Basta dizer que o maior consumidor de energia não está aqui, que é o broadcast”, afirmou, referindo-se a toda estrutura necessária para a transmissão de TV dos Jogos.

Mesmo dizendo que não teve culpa das quedas de luz nos eventos-teste, e que a responsabilidade é do Comitê Rio-2016, a Light informou que vem desenvolvendo “rigoroso plano de manutenção e operação que cobre os quatro clusters olímpicos”.

(com Gazeta Press e Estadão Conteúdo)