Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

O segredo de Phelps para levar o ouro no nado borboleta

Por Davi Correia 4 ago 2012, 10h52

Michael Phelps é um fenômeno, não há dúvidas. Mas suas 21 medalhas em olimpíadas – 17 de ouro – não foram parar no seu pescoço simplesmente porque ele tem grande envergadura, braços e pernas fortes. Ele precisou traçar uma estratégia para cada um dos confrontos com adversários cada vez mais fortes também.

Leia também:

Leia também: Michael Phelps não para e humilha na piscina, 17º ouro

Leia também:

Leia também: A visão da equipe de VEJA em Londres

Em imagens, as medalhas de Michael Phelps

Borges diz que o forte de Phelps é a volta final. “Diferente dos outros atletas, ele é muito rápido e não baixa o ritmo durante a prova.” Phelps largou bem e foi superior no nado limpo, aquele momento em que os nadadores ficam enfileirados no meio na piscina, e com um bom alongamento conseguiu terminar a prova deslizando na água, enquanto o africano Chad le Clos, segundo lugar, ainda tentava algumas braçadas.

Resumo de mais um ouro, ou receita dourada do americano: até a virada, Phelps não assusta os adversários, mas em seguida consegue se projetar e manter o ritmo forte enquanto os outros entram em curva descendente de aceleração. Além disso, consegue finalizar a prova de maneira em que seu corpo se projeta no momento exato em que estica o braço e bate na borda. Simples assim.

Continua após a publicidade
Publicidade