Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

O feito histórico da bandeirinha catarinense Neuza Back na Copa do Mundo

A Fifa selecionou três juízas e três assistentes para trabalhar nas partidas do torneio. Ela é uma delas

Por Fábio Altman, de Doha
Atualizado em 25 nov 2022, 09h57 - Publicado em 25 nov 2022, 06h00
INEDITISMO - A catarinense de 38 anos: uma das seis árbitras e assistentes no Mundial -
INEDITISMO – A catarinense de 38 anos: uma das seis árbitras e assistentes no Mundial – (Antonio Milena/.)

Aos 33 minutos da partida entre Botafogo e Vasco, em São Januário, pelas oitavas de final da Copa do Brasil de 2020, no auge da pandemia, Jairzinho, o Furacão da Copa de 70, virou um ventinho de nada, um sopro sem graça, incapaz de apagar uma vela. Ele comentava a partida pelo canal do clube alvinegro no YouTube. Depois da marcação de um impedimento pela bandeirinha Neuza Inês Back, ele não se conteve: “Está dando mesmo (dor de cabeça), está dando mesmo, está dando mesmo. Vai lavar roupa, pô. Pelo amor de Deus. Pô, bota para lavar roupa, pô”, esbravejou, nervoso e repetitivo. O ex-craque de 77 anos pediria desculpas, disse ter sido levado pelo suposto calor do momento e assegurou respeitar as mulheres.

A catarinense Neuza, de 38 anos, que naquela noite ganharia notoriedade com o comentário machista e inaceitável, vive no Catar o apogeu da carreira em um momento histórico. A Fifa selecionou três juízas e três assistentes para trabalhar nas partidas do torneio. Ela é uma delas. A inclusão feminina em um esporte tão masculino virou urgência devido ao questionamento quanto ao modo pelo qual a entidade administra o esporte, o evidente crescimento global de interesse pelo futebol feminino — e a postura oficialmente misógina do país-sede do Mundial, que pedia algum tipo de vacina, mesmo inócua. “É uma honra ter sido escolhida como assistente”, disse ela a VEJA. “Mas é também uma imensa responsabilidade, com os olhos do mundo nos vigiando.”

Quem conhece de perto o trabalho e o perfeccionismo de Neuza não tem dúvida alguma da certeza do sucesso. “Ela é a melhor bandeirinha do mundo, com um índice de acerto inacreditável”, diz a árbitra Edina Alves Batista, que aponta um outro lote de conhecimentos da amiga para exemplificar sua dedicação. “E ainda por cima ela fala e estuda inglês e alemão.”

E ainda por cima Neuza se exercita sete dias por semana, com musculação e pelo menos 6 quilômetros diários de corrida, em Jundiaí, no interior de São Paulo, onde mora — maneira pela qual se prepara para aguentar os 8 quilômetros que uma assistente corre durante uma partida, e com uma agravante muscular, por ter de se mexer de lado, em movimento que não é natural. Quando não está na pista ou na academia, cercada de uma equipe multidisciplinar que inclui a irmã, nutricionista, ela se debruça sobre programas de computador e vídeos de jogos. Para quê? Para entender a circulação dos jogadores de ataque e defesa. “Os craques dão trabalho diferente, ao realizar lances inesperados, ao pôr a bola em ritmo e soluções fora do habitual, o que pode nos pegar desprevenidos”, diz. Ela gosta também de rever as partidas, por não ter compromisso com o erro. “Não quero perder o sono ao descobrir que por 10 centímetros posso tirar o título de uma equipe para dar a outra”, afirma.

Continua após a publicidade

Na infância e adolescência, no município de Saudades, ela jogou futebol. Interessou-se pela arbitragem incentivada pelo irmão mais velho, que era juiz. Não é o caso de imaginar que pai e mãe, sobretudo a mãe, tenham se desesperado, vislumbrando os previsíveis xingamentos de torcedores — mesmo agora, com o advento do bom apoio do VAR e da assistência eletrônica, com chip dentro da bola, para o controle mais preciso dos impedimentos, como se tem visto no Catar. Diz a mãe, Carmelita: “Nos sentimos honrados e felizes por nossa filha ter chegado aonde chegou”.

Não foi, por óbvio, travessia fácil, embebida de preconceito, muitas vezes ruidosamente silenciosa. Notem-se as chuteiras pretas de Neuza, que uma primeira observação nada entrega, mas esconde segredos. É ela quem conta: “Tive de pintá-las de preto, porque para meu tamanho de pé, 37, só havia de outras cores. Pretas só a partir de 39”. E assim ela desembarcou em Doha. Nos alambrados, em mais de uma oportunidade — ou quase sempre — há bocós que disparam gracinhas. Quando ela tira do bolso um cartão no qual faz breves anotações, alguém grita lá do alambrado: “Anota aí meu celular, 9-99…”. Ela ri. Não riu quando, no começo da carreira, em uma disputa de Série B, um torcedor mais mercurial e agressivo invadiu o gramado e a agarrou pelo pescoço. Foi salva pelos policiais no estádio.

De jogadores, nunca escutou bobagens, o que dá boa medida dos avanços, embora a revolução tenha apenas começado e será televisionada. Pelo menos 5 bilhões de pessoas, em todo o mundo, devem acompanhar as 64 partidas da Copa (652 milhões de terráqueos viram Neil Armstrong pousar na Lua, em 1969). Com tanta visibilidade, e porque imagem é tudo, diante de maciça audiência, Neuza sabe precisar de cuidados. Ela fará caprichadas tranças, que já sabe montar sozinha, e tratará de pintar as unhas com cores vibrantes. Não é fácil a vida de uma bandeirinha do primeiríssimo time.

Publicado em VEJA de 30 de novembro de 2022, edição nº 2817

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.