Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘O Brasil chega bem’, diz Felipão, tranquilo, sobre a estreia

Apesar de mostrar confiança, o técnico alertou para o risco de uma situação 'horrível' em caso de um revés no sábado - e elogiou bastante os japoneses

O técnico não gostou dos questionamentos sobre a perda de prestígio da seleção, garantindo que o status da equipe continua o mesmo no exterior: “Se não temos respeito, é aqui dentro do Brasil. Todos que vêm lá de fora nos respeitam, e muito”

No primeiro compromisso oficial da seleção na Copa das Confederações – a entrevista coletiva obrigatória com o treinador da equipe na véspera do jogo -, o técnico Luiz Felipe Scolari atrasou 24 minutos, algo incomum nos eventos organizados pela Fifa. Coisa de quem já é experiente e não fica mais tão apreensivo com a estreia num grande torneio. “A ansiedade já não é mais a mesma de antigamente”, contou Felipão, que mostrou-se tranquilo com a situação da equipe um dia antes de abrir a competição, no sábado, contra o Japão, em Brasília. “O Brasil chega bem. Estou satisfeito. Tenho visto um ambiente bom. Há cobrança entre os próprios jogadores por uma melhora acentuada, que eu acho que vem acontecendo.” Apesar da calma exibida durante a entrevista, o técnico, que confirmou a manutenção da equipe titular na estreia – o time será o mesmo que enfrentou a França em Porto Alegre – reconheceu a pressão para que o time saia vitorioso no primeiro jogo do torneio, principalmente para não despertar desconfiança ainda maior do torcedor. “É horrível jogar o primeiro jogo em casa e perder. O ambiente fica difícil de a gente administrar. É uma situação que não se deve passar”, avisou.

Leia também:

Neymar reclama de críticas: ‘Nunca mudei meu jeito de jogar’

Nakata elogia Neymar e diz que Japão pode surpreender

Brasília: estádio recebe últimos retoques antes da abertura

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

Aos adversários, Felipão reservou muitos elogios. “O Japão é o primeiro país já classificado para o Mundial de 2014. Se é o primeiro, alguma qualidade deve ter, correto?” E depois de reclamar da retranca dos franceses no jogo da semana passada, em Porto Alegre, o técnico apostou num oponente mais aberto no sábado. “O Japão vai atuar marcando, é claro, mas vai jogar bem mais à frente do que os nossos últimos adversários”, apostou. Depois da entrevista coletiva, Felipão comandou o treino de reconhecimento do gramado do Estádio Nacional Mané Garrincha – uma movimentação leve, com ênfase na prática de jogadas pelo alto (a seleção japonesa tem poucos atletas de alta estatura). Depois, ensaiou a movimentação ofensiva dos titulares, acompanhando de perto a armação das jogadas e orientando principalmente os volantes e meias. O técnico contou, aliás, que já está numa fase da preparação em que gasta mais tempo falando com os atletas que precisam de mais atenção para render o máximo. “As conversas com eles ficam mais frequentes, a gente começa uma aproximação maior”, explicou. E uma das preocupações, mais uma vez, foi aliviar a cobrança sobre Neymar. “Ele é igual aos outros, não é diferente. E quanto mais ele entender isso e quanto mais for um jogador de equipe, melhor ele vai ser. Ele tem feito tudo com boa vontade e muita dedicação. E sozinho ele não vai ganhar.”