Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Nos pênaltis, Ituano leva troféu do Paulista para o interior

Time de Itu vence o Santos e conquista o segundo título de sua história

Por Da Redação - 13 abr 2014, 18h35

A melhor defesa superou o melhor ataque na decisão do Campeonato Paulista 2014. Nos pênaltis, o Clube Atlético Ituano superou o Santos no Pacaembu lotado de santistas e levantou seu segundo título da competição, o primeiro com a presença dos grandes clubes. A última vez que um time do interior venceu o torneio com as presença dos times tradicionais foi em 1990, quando o Bragantino ganhou o troféu sob a batuta de Vanderelei Luxemburgo.

A decisão foi para os pênaltis depois da vitória do Santos por 1 a 0 no tempo normal – o Ituano havia vencido pelo mesmo placar na primeira partida, também disputada no Pacaembu. Foi então que brilhou a estrela de Vagner, goleiro menos vazado do campeoato, com onze gols sofridos. Ele defendeu a cobrança do zagueiro Neto, na oitava cobrança da equipe santista, para fechar o placar em 7 a 6.

Antes disso, ele havia brilhado durante os noventa minutos. O goleiro fez ao menos três grandes defesas, uma delas incrível: aos 34 minutos do primeiro tempo, quando o Santos pressionava mais, ele mostrou agilidade (e um pouco de sorte) ao impedir um cabeceio de Leandro Damião com o rosto.

Do lado do clube litorâneo, o destaque foi o meia Cícero, que marcou, de pênalti, o único gol da partida, aos 46 minutos do primeiro tempo. O santista entrou em campo pressionado justamente por ter desperdiçado uma penalidade no jogo de ida da final, na semana passada. Com boa atuação, ele sofreu a falta que levou à abertura do placar. Com o gol, o meia virou um dos artilheiros do torneio, ao lado de Luís Fabiano, do São Paulo, Alan Kardec, do Palmeiras, e Léo Costa, do Rio Claro.

Publicidade

A partida foi muito equilibrada. Cada time teve maior domínio em uma etapa. O Santos começou melhor. O time do técnico Osvaldo de Oliveira aproveitou a postura defensiva dos interioranos para empurrar o time para o ataque. Na primeira etapa, as melhores oportunidades vieram dos pés santistas.

No segundo tempo, o pêndulo se inverteu. Os comandados por Doriva subiram de produção ao abandonar a cautela na defesa. Surgiram boas jogadas com Cristian, Esquerdinha, Marcinho… Aos 38 minutos, André Salles cobrou uma falta perigosíssima. Aranha fez uma grande defesa e evitou o empate.

Publicidade