Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Nós, atletas, não somos do governo’, diz Neymar

Craque expressou pela 1ª vez sua opinião política sobre os protestos e revelou o incômodo dos jogadores ao serem colocados como agentes do poder público

O amistoso da seleção brasileira contra o Panamá, realizado na terça-feira, em Goiânia, despertou um Neymar desconhecido do grande público. Não o craque decisivo, que transformou as primeiras vaias do torcedor presente no Serra Dourada em aplausos quando ele liderou o time com um gol, uma assistência e dribles na goleada por 4 a 0. Quem surgiu pela primeira vez para os brasileiros foi o cidadão Neymar, que revelou o seu sentimento sobre os protestos – houve manifestação em frente ao hotel da equipe nacional – e refletiu o descontentamento dos jogadores ao serem confundidos com parte do poder público.

Leia também:

Brasil saiu do 1º teste com sinais de ‘Neymardependência’

“Sou totalmente a favor de o povo se manifestar, buscar o seu direito. Eu sou do povo, não vim de um berço de ouro ou de uma família rica. Batalhei muito para chegar até aqui”, disse o craque. “Só não concordo quando o povo se manifesta e critica os jogadores. Nós não somos do governo, também buscamos um Brasil melhor”, arrematou.

Leia ainda: Já virou rotina: atrás da seleção, o cordão dos oportunistas​

Mesmo com o peso da frase do camisa 10 logo após o fim do primeiro amistoso de preparação para a Copa do Mundo, a repercussão nas redes sociais foi praticamente irrelevante. Levantamento da consultoria Bites mostra que em 24 horas, até às 18h30 dessa quarta-feira, menos de 300 referências foram escritas sobre a opinião política do atleta. No entanto, mais de 81.000 comentários foram postados sobre o papel decisivo do jogador para a seleção brasileira durante a partida.

Neymar não é o primeiro a falar sobre a ligação entre as manifestações e a seleção brasileira. Depois que a equipe foi recebida com vaias de professores em greve quando desembarcaram no Rio de Janeiro no primeiro dia de preparação para o torneio mundial, o coordenador-técnico Carlos Alberto Parreira disse que ninguém é contra a seleção. Outros jogadores também foram questionados pelos jornalistas em coletivas nessa primeira semana de treinos na Granja Comary, em Teresópolis, mas todos foram evasivos. O camisa 10 não só falou pelos seus colegas, como acertou a “distância regulamentar” entre o futebol e a política.