Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

No maior pesadelo do futebol do Brasil, Alemanha faz 7 a 1

A segunda Copa do Mundo realizada no país ficará marcada pela pior derrota da história da seleção pentacampeã, massacrada de forma inapelável no Mineirão

A Alemanha, agora recordista em número de finais disputadas (oito, contra sete do Brasil), segue para o Rio de Janeiro, onde espera concluir sua passagem devastadora pelo Brasil conquistando o tetracampeonato mundial

A decisão da primeira Copa do Mundo realizada no Brasil, no dia 16 de julho de 1950, no Maracanã, deixou de ser o episódio mais desastroso da história centenária do futebol pentacampeão. Essa página foi escrita nesta terça-feira, 8 de julho de 2014, no Mineirão, com a mais trágica derrota já sofrida pela seleção. O segundo Mundial sediado no país terminará com a equipe da casa tentando reunir forças para disputar apenas uma medalha de bronze, um prêmio de consolação que ficará esquecido no extenso currículo de glórias da equipe. A finalíssima será disputada pela Alemanha, que goleou o Brasil de forma arrasadora e inquestionável, 7 a 1, numa tarde de pesadelo em Belo Horizonte. Depois de um bom início, em que a equipe do técnico Luiz Felipe Scolari procurou compensar a falta de Neymar com um jogo combativo e aguerrido, o Brasil desabou em questão de minutos. Para espanto dos torcedores – que, depois de brigar por um lugar no estádio na semifinal da Copa, acabaram amargando um longo sofrimento nas arquibancadas -, o Brasil foi superado de forma inapelável e traumática, na maior goleada já aplicada na equipe.

Se a seleção foi empurrada pela torcida mesmo nos momentos difíceis de sua campanha na Copa – como no empate sem gols com o México, a classificação nos pênaltis contra o Chile e a vitória apertada contra a Colômbia -, a fidelidade do público não resistiu ao massacre alemão. Os torcedores perderam a paciência, xingaram Fred, vaiaram os erros dos demais integrantes da equipe e assistiram em silêncio ao fim melancólico do jogo. Depois de quase quatro décadas sem perder uma partida oficial em casa (o último revés havia acontecido no mesmo Mineirão, pela Copa América, contra o Peru, em 1975), o Brasil fica pelo caminho, tendo mais um compromisso neste Mundial: uma viagem a Brasília, onde decide o terceiro lugar, no sábado, contra o perdedor da outra semifinal, entre Argentina e Holanda, na quarta, em São Paulo. A Alemanha, agora recordista em número de finais disputadas (oito, contra sete do Brasil), segue para o Rio de Janeiro, onde espera concluir sua passagem devastadora pelo Brasil conquistando o tetracampeonato mundial.

Leia também:

Brasil enfrenta Alemanha com Bernard na vaga de Neymar

‘Espiões’ ajudaram Felipão a definir seleção para semifinal​

Ao redor do Mineirão, a torcida usa a máscara de Neymar​

Blitzkrieg – Com a escalação de Bernard, nascido em Belo Horizonte e cria do Atlético-MG, a seleção de Felipão apostou na velocidade para tentar compensar a ausência de Neymar. Na execução do hino brasileiro, o capitão David Luiz, que assumiu a braçadeira de Thiago Silva, suspenso, segurou a camisa 10 do craque lesionado. O papel de Neymar, pela faixa central do campo, ficou com Oscar, com Hulk aberto pela esquerda e Bernard pela direita. A seleção de Felipão começou a partida sufocando os alemães, com uma marcação fortíssima e buscando acelerar o ritmo do jogo. O Brasil ganhava quase todas as bolas divididas, inflamando a torcida. O sistema defensivo alemão impedia que a pressão brasileira fosse transformada em chances de gol, mas o time da casa controlava as ações. O Brasil, porém, esfriou logo no primeiro lance de perigo dos alemães, convertido em gol com apenas 10 minutos de partida, depois de escanteio batido por Toni Kroos. Thomas Muller finalizou sozinho, de pé direito, com calma e categoria, abrindo o placar.

Inicialmente, o time da casa até mostrou um bom poder de reação: mesmo em desvantagem no placar, a Brasil não se abateu e seguiu buscando o jogo. Agora, porém, havia uma muralha alemã pela frente – os tricampeões mundiais, bem postados em campo, contavam com sua organização e disciplina tática para não só defender bem como também deixar a partida ao seu gosto. Aos 22, a missão dos brasileiros ficava ainda mais difícil: Klose dominou na entrada da área e bateu rasteiro; Júlio César defendeu, mas o próprio Klose aproveitou o rebote para fazer 2 a 0, quebrando o recorde histórico de Ronaldo. Agora, o veterano artilheiro somava dezesseis gols em Copas do Mundo – e a seleção pentacampeã começava a desabar. Aos 23, o massacre passava a se desenhar: Lahm avançou pela direita, cruzou rasteiro e viu Kroos finalizar de pé esquerdo, com muita tranquilidade, aumentando para 3 a 0. A máquina alemã precisou de mais apenas um minuto para marcar de novo, com Khedira servindo Kroos, de novo. Aos 28 foi a vez do próprio Khedira deixar sua marca, de pé direito, recebendo de Ozil.

Leia também:

Neymar não vai ao Mineirão – mas quer estar no Maracanã

Em Minas, Brasil tenta derrubar sina dos gigantes em casa​

Brasil perdeu a última, mas costuma castigar a Alemanha

Com menos de meia hora de jogo, o Brasil sofria sua maior goleada em Copas: 5 a 0 (na única outra ocasião em que sofreu tantos gols, na Copa de 1938, acabou vencendo por 6 a 5). E os alemães, impiedosos, queriam mais: agora o Brasil estava rendido, presa fácil para uma equipe que parecia funcionar com perfeição em todos os seus setores. Depois do choque, com um longo período de silêncio, a torcida voltava a gritar “Brasil”, mas de forma tímida. Em campo, os jogadores pareciam não ter mais forças para responder: perplexos, corriam desorientados, incapazes de segurar os oponentes. A blitzkrieg alemã no primeiro tempo terminava com um saldo brutal: mesmo com menos tempo de posse de bola, 47% contra 53%, dez finalizações e 210 passes trocados. Insatisfeita com o desfecho catastrófico do sonho do hexa, o público no Mineirão começava a xingar – não Felipão nem qualquer jogador, mas sim a presidente Dilma Rousseff, repetindo o coro ofensivo da partida de abertura, em São Paulo. Mas também sobrou para a equipe, claro: pela primeira vez na Copa do Mundo, a seleção brasileira saía de campo sob vaias.

Calvário – O Brasil voltou para o segundo tempo com duas alterações: Fernandinho deu lugar a Paulinho e Hulk foi substituído por Ramires. Na Alemanha, o recordista Klose deu lugar a Schürrle depois de poucos minutos de jogo. Os brasileiros começaram tentando dar uma satisfação ao torcedor, buscando o gol de honra. Com um futebol extremamente pobre, as chances brasileiras, porém, eram escassas, e o goleiro Neuer quase não trabalhou. Júlio César, por sua vez, continuava sendo submetido a um calvário. �Muller, aos 15, bateu de esquerda e exigiu grande defesa do goleiro brasileiro.� Aos 23, a Alemanha ampliou, desta vez com Schürrle, que recebeu assistência de Phillipp Lahm e bateu de pé direito, matando Júlio. �Logo em seguida, Fred deu seu lugar a Willian – e continuou sendo vaiado, inclusive quando era mostrado no telão. O técnico Joachim Löw começava a poupar seus titulares para a decisão: faltando 15 minutos, Khedira foi substituído por Draxler. O ritmo alemão, no entanto, não diminuiu: Schürrle fez o sétimo aos 34, com uma finalização perfeita, no ângulo, levando parte da torcida a aplaudir os europeus. Nunca uma seleção havia marcado sete gols numa semifinal de Copa. A torcida mineira também gritou “olé” durante as trocas de passes entre os alemães, que saem do Mineirão como favoritos absolutos à conquista do título, seja contra os argentinos, seja contra os holandeses. Já nos acréscimos, Oscar recebeu lançamento longo, cortou seu marcador e bateu de pé direito, tirando o zero do placar, mas não a sensação de que a semifinal da Copa de 2014 foram os piores 90 minutos da história do futebol brasileiro.