Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

No GP Brasil de F1, Daniel Alves declara torcida por ‘parceiro’ Hamilton

Assim como Neymar, o lateral-direito do São Paulo é amigo pessoal do hexacampeão da categoria máxima do automobilismo mundial

Por Danilo Monteiro - Atualizado em 17 nov 2019, 17h24 - Publicado em 17 nov 2019, 14h35

Um dia após marcar o gol de empate do clássico contra o Santos, o lateral-direito do São Paulo Daniel Alves esteve presente no Autódromo de Interlagos neste domingo 17, dia do Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1. O jogador de 36 anos conheceu as instalações da Mercedes e declarou torcida pelo “parceiro”, inglês Lewis Hamilton.

“Sou fã de Fórmula 1, acompanho o campeonato faz tempo. Vou torcer para o Lewis, porque ele é meu parceiro”, disse o lateral.

Daniel Alves já visitou o britânico ainda neste ano, no GP de Barcelona – vencido por Hamilton. O atual hexacampeão da Fórmula 1 é fã de futebol e amigo pessoal do lateral do São Paulo e de Neymar, que já posou com o piloto em diversas ocasiões. “Normalmente eu sou ‘ferrarista'”, disse Daniel Alves. “Vou falar baixinho porque eu gosto muito do Lewis Hamilton”, brincou. “Na minha opinião, Hamilton é quem mais se aproxima do Ayrton Senna. Eu gosto muito dele por essa semelhança e pelo cara que ele é. Tenho uma relação bacana com ele. E sempre torço para quem eu gosto. Esse é um dos caras que mais admiro na Fórmula 1 hoje. Vou torcer para ele. Apesar de eu ser ‘ferrarista'”, completou.

Esbanjando simpatia e bom humor após o bom resultado em campo, o são-paulino não quis comentar sobre futebol e ainda brincou com a situação de ser “ferrarista”, revelando que hoje não tem uma Ferrari em casa. “Mas eu já tive uma e é um bom carro”. Ele também foi tietado pelos mecânicos das equipes.

Publicidade

Para Daniel Alves, o fato de não ter representantes do Brasil na competição influencia a disputa atual porque “não existe nenhum esporte sem brasileiros”. “Tem que ter. Nós estamos com algumas promessas e esperamos que eles possam chegar o mais longe possível. Depois de grandes nomes que tivemos, ficamos na torcida para que esses jovens possam chegar o mais longe possível”.

(com Estadão Conteúdo)

Publicidade