Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

No auge da parceria, ‘freguês’ Neymar tenta superar Messi

Cada vez mais próxima, a dupla vive grande fase no Barcelona. No sábado, eles serão rivais novamente – e brasileiro vai em busca da primeira vitória no duelo

“É torcer para ele não estar em um dia bom e não tocar na bola”, disse Neymar sobre Messi nesta sexta-feira

Neymar e Lionel Messi demoraram a se entrosar no Barcelona. No primeiro ano do novato na Espanha, o clube catalão não conquistou nenhum grande título, o brasileiro passou um bom tempo na reserva, o argentino perdeu o título de melhor jogador do mundo depois de quatro anos de hegemonia e, para piorar, o rival Real Madrid foi campeão europeu. Além da falta de sintonia em campo – como os dois jogavam sempre abertos, um em cada ponta, foram raras as trocas de passes entre eles -, as personalidades dos craques pareciam não se encaixar. Enquanto Neymar é espalhafatoso e carismático, Messi é tímido ao extremo (quando não está com a bola nos pés, claro). Um é destro, o outro é canhoto; um é baladeiro, o outro é casado e avesso a festas. Apesar de ambos sempre terem declarado uma admiração mútua, a relação parecia fria, mas só até o início desta temporada. Com a chegada do técnico Luis Enrique, Neymar e Messi passaram a se conectar muito mais durante os jogos e o desempenho da dupla – sobretudo pelo lado do brasileiro -, cresceu de forma notável. Nos oito primeiros jogos da temporada, Neymar já marcou oito gols e Messi fez sete. A amizade entre “Neymessi”, como a imprensa espanhola apelidou a dupla, cresceu e ficou evidente em cada treinamento, entrevista e comemoração de gol. Neste fim de semana, no entanto, Neymar e Messi voltarão a estar em lados opostos.

Leia também:

Messi acha que Neymar será o melhor do mundo no futuro

Seleção faz treinos intensos. Na Argentina, Messi preocupa

Técnico argentino promete equipe ofensiva contra o Brasil

Capitães e principais craques de suas equipes, eles serão as estrelas do Superclássico das Américas, entre Brasil e Argentina, em Pequim, às 9 horas (de Brasília). E justamente num momento em que parece ter construído uma grande parceria com o argentino, Neymar tentará encerrar um incômodo retrospecto. Até o momento, os dois se encontraram em três ocasiões, com vantagem total de Messi: três vitórias, com seis gols marcados pelo argentino e nenhum pelo brasileiro. “É torcer para ele não estar em um dia bom e não tocar na bola”, disse Neymar nesta sexta-feira, no último treino da equipe de Dunga antes do jogo. “Acho que é o único jeito de marcar o Messi. Falei para os meus companheiros que temos de tomar cuidado porque ele é um grande jogador, e temos de estar sempre alertas para não deixar pensar muito, nem driblar. Bom, aí a gente ganha o jogo”, brincou o brasileiro, que aposta no Superclássico para começar a equilibrar o histórico de duelos. O primeiro embate aconteceu em Doha, em 2010, quando Messi já era o melhor jogador do planeta e Neymar apenas iniciava sua trajetória na seleção brasileira, então dirigida por Mano Menezes. A Argentina venceu a partida com um golaço de Messi nos minutos finais. No segundo e mais marcante duelo, Neymar e o Santos levaram uma verdadeira lição do Barcelona no Japão: 4 a 0, com dois gols de Messi, na final do Mundial de Clubes de 2011. Antes de se tornarem companheiros, eles ainda se cruzaram em 2012, em um amistoso prévio às Olimpíadas de Londres. Com novo show de Messi, autor de três belos gols, a Argentina venceu a seleção brasileira por 4 a 3, em um jogaço em Nova Jersey, nos Estados Unidos.

Essas partidas foram suficientes para que Neymar passasse a tratar Messi como um verdadeiro ídolo. Em sua chegada ao Barcelona, o brasileiro repetiu diversas vezes que trataria de ajudar o argentino a se manter como número 1 – o que não se concretizou – e que o papel de estrela da equipe seria sempre do dono da camisa 10. Messi, por sua vez, deu sua primeira demonstração clara de afeto pelo brasileiro apenas neste ano, e em terras brasileiras. Um dia depois de Neymar sofrer uma lesão na coluna contra a Colômbia e ter confirmada sua ausência do resto da Copa do Mundo, o capitão argentino enviou uma mensagem de apoio ao companheiro. Dias depois, Neymar surpreendeu os brasileiros ao dizer que torceria pela Argentina na final da Copa do Mundo, tudo graças à sua amizade com o colega de clube. “Sou Messi Futebol Clube”, afirmou. Desde então, a rasgação de seda entre os astros se tornou frequente. Recentemente, Messi afirmou que Neymar tem condições de se tornar o melhor jogador do mundo no futuro. Uma atuação convincente contra os vice-campeões mundiais certamente elevaria o moral do brasileiro. Até hoje, Neymar só venceu os arquirrivais em jogos por campeonatos juvenis e nos Superclássicos anteriores, quando apenas jogadores que atuavam nos dois países podiam ser convocados. Desta vez, as duas seleções terão força máxima e o jogo promete ser um ótimo teste para a nova seleção de Dunga. No Ninho de Pássaro, em Pequim, Neymar reencontrará também o novo comandante argentino, Tata Martino, que foi o treinador de seu primeiro ano no Barcelona.