Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Neymar segue mal, mas dá sinais de amadurecimento

Atacante esteve impreciso em Brasília, mas buscou jogo e fugiu de confusões. Enfim, se portou como líder e admitiu erros do passado: "Fiz mal a mim mesmo"

Neymar viveu na tarde desta quinta-feira em Brasília uma situação relativamente comum às estrelas do esporte: jogou bem, mas também jogou mal. A torcida no Mané Garrincha certamente esperava mais dele, porém reconheceu seu esforço. Voltando das agitadas férias, o atacante do Barcelona estava impreciso, fora de sintonia, mas não se omitiu em nenhum momento e criou as melhores oportunidades no empate sem gols com a África do Sul. Mais importante que isso, Neymar deu sinais de que aprendeu com os erros e assimilou as críticas que colocaram em xeque sua condição de ídolo nacional. Na estreia da Rio-2016, Neymar foi mais generoso com a bola e bem mais tranquilo sem ela. Nada de chiliques, reações intempestivas e cartões desnecessários, dando a impressão de, enfim, ter compreendido o seu papel de líder do time.

O camisa 10, que tem bom retrospecto na capital federal, já encantou a torcida no aquecimento: ouviu gritos histéricos ao aparecer no telão e, com ótima pontaria, acertou ao menos três bolas no ângulo. Mas, quando a bola rolou para valer, com marcadores em seu encalço, teve dificuldades. Bem marcado e fincado na ponta esquerda, quase não tocou na bola nos primeiros dez minutos. Depois, entrou no jogo e arriscou bons chutes de fora da área, mas não foi capaz de superar o inspirado goleiro Itumeleng Khune. Neymar tentou, tentou e tentou, mas não conseguiu se entender com os jovens Gabriel Jesus e Gabriel Barbosa, o Gabigol, com quem pode formar um trio promissor até na equipe adulta.

Boa notícia: ‘Sou brasileiro, com muito orgulho’ é sepultado

Neymar não foi vaiado, mas ouviu lamentações barulhentas ao errar passes e dribles que costuma acertar. Mas, ao contrário do que se viu em diversas partidas – especialmente diante da Colômbia, na Copa América do ano passado, quando Neymar foi expulso e suspenso, deixando a seleção na mão –, não se descontrolou diante da adversidade. Soube dosar as jogadas individuais, apanhou, mas não bateu, e nem sequer olhou para o árbitro. Chamou a responsabilidade, mas foi fominha na medida certa. Ao final da partida, encarou um batalhão de repórteres e, falando baixo e calmamente, repetiu diversas vezes o discurso padrão. “Às vezes a bola não entra, acontece, sabíamos que não seria fácil e estamos tranquilos.”

Na única dividida com a imprensa, criticou (educadamente e, com razão, por sinal) quem considera um erro o Brasil “jogar para ele”. “No Barcelona, jogamos em função do Messi, ele é quem toca mais na bola e ninguém fica chateadinho.”  No fim, já quase indo para o ônibus, foi questionado por VEJA se as críticas e as suspensões influenciaram na sua mudança de comportamento. “Já passei por muita coisa, tive experiências que não me levaram a nada e fizeram mal a mim mesmo, por isso hoje estou bem tranquilo”, disse, deixando a zona mista sem dar sequer um sorriso. Como o próprio disse, no início da preparação em Teresópolis, Neymar quer ser questionado pelo que faz dentro de campo e não nas folgas. É o que todos esperam. Mesmo sem ter sido brilhante, o único craque brasileiro parece ter entendido que, aos 24 anos e consagrado mundialmente, não pode mais agir como um garoto mimado.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Marcelo Mf121958

    Daqui a 4 anos ele vai estar maduro!

    Curtir

  2. Adenilson Lima

    Eu não sei onde ” amadurecimento” ficou visível ai…aliás, isso ai nunca vai chegar aos aos pés dos grandes nomes que futebol brasileiro.

    Curtir

  3. alfredo carlos gomes

    Só metidice, devia ter ficado na Espanha e não vim encher o saco aqui

    Curtir

  4. Falta de ritmo visível, após final de temporada no Barça, conforme calendário europeu de competições. A tendência é a melhor a progressiva. E nada que melhor que a disposição do time do Iraque para ajeitar o time. A seleção ainda não perdeu nada em vista do empate do outro jogo do grupo. Menos mal.

    Curtir

  5. Ricardo Vianna

    Eles ( time de futebol ) não passam de atletas representando uma nação. Deveriam ser tratados como tal e não serem endeusados pelo pouco que se dedicam, se o time da Africa do Sul jogasse completo teria ganho o jogo. Parem de endeusar estes caras.

    Curtir

  6. Smashing Pumpkins

    “fugiu de confusões” ??? Nos acréscimo do segundo tempo em vez de ele correr atras do tempo, parou pra bate boca com os africano. A febre de “puxaquismo” ao Neymar nunca vai ter fim.

    Curtir