Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Neymar não aprende mesmo…

Nas últimas semanas, atacante deu novas mostras de absoluto descontrole. Neymar e 'fair play', por enquanto, só se uniram em campanhas publicitárias

Por da redação Atualizado em 31 out 2016, 16h05 - Publicado em 31 out 2016, 14h48

A rotina se repete há anos: Neymar costuma mandar bem com a bola, mas longe dela nem sempre faz boas jogadas. Em menos de dez dias, ele esteve nas manchetes da Espanha por diversos motivos, como dribles e assistências geniais; mas contra o Valencia insultou torcedores rivais, foi atingido por uma garrafa de plástico vazia (e reagiu como se tivesse levado um tiro); diante do Granada, apanhou muito, se irritou com um zagueiro, levou mais um cartão amarelo e ainda empurrou o adversário pelas escadarias do Camp Nou. O (mau) comportamento de Neymar parece piorar à medida que se consolida como craque indiscutível e vira piada ao ser apresentado como estrela de uma campanha de ‘fair play‘.

Na Copa América de 2015, Neymar deu o maior chilique de sua carreira contra a Colômbia, em episódio que lhe rendeu uma suspensão. Pediu desculpas e prometeu se controlar, mas não adiantou: mais ataques de nervos com adversários, árbitros e torcedores em jogos na Europa, na Olimpíada e nas Eliminatórias. Depois do jogo contra a Bolívia, em que Neymar foi mais uma vez suspenso por um cartão amarelo, o técnico Tite disse que o jogador precisaria passar por um “processo de maturidade”. Talvez fosse necessário também que o treinador conversasse com o pai-empresário e guru de Neymar, que nesta semana admitiu que proíbe o filho de acompanhar o que é dito ou escrito sobre ele.

Parentes e os inseparáveis amigos certamente transmitem os elogios mas provavelmente o poupam de críticas. Neymar não é mau caráter, mas é extremamente mimado, desde a adolescência, quando demonstrou muita habilidade com a bola. E é exatamente por se tratar de um fora de série que Neymar se julga intocável. Não aceita críticas, muito menos a truculência e as provocações dos oponentes. Precisa crescer.

Opinião: Tite encontrou melhor versão de Neymar, mas precisa educá-lo

Aos 24 anos, já deveria ter entendido que a melhor resposta às provocações (até físicas) é jogar e forçar o cartão para os adversários, em vez de revidar e ser punido. Neymar só não se tornará um novo Balotelli – que de tantas besteiras, viu nascer na Itália a expressão Balotellata para designar suas atitudes intempestivas -, pois tem muito, muito mais talento. Mas com esse comportamento dificilmente atingirá o patamar de gênios como Lionel Messi e Cristiano Ronaldo. Por enquanto, Neymar e ‘fair play’ só combinam mesmo em campanhas publicitárias.

Abaixo, alguns dos descontroles de Neymar:

Neymar x Vezo

Durante a vitória sobre o Granada por 1 a 0 no Camp Nou, o brasileiro se desentendeu com o zagueiro Rubén Vezo. Após a partida, Neymar convocou o adversário para brigar fora de campo e, juntos, caminharam para os vestiários trocando xingamentos. Chegando nas escadarias, Neymar empurrou Vezo, que despencou.

https://www.youtube.com/watch?v=JZq664IGc-w

Bolada, cabeçada e expulsão

Após a derrota por 1 a 0 para a Colômbia, na Copa América Centenário do ano passado, Neymar chutou a bola nas costas do colombiano Pablo Armero, tentou dar uma cabeçada no zagueiro Jeison Murillo e foi expulso ao sair de campo. A atitude infantil do jogador rendeu-lhe suspensão de quatro jogos, prejudicando a seleção brasileira.

Continua após a publicidade

Discussão de Neymar com torcedor na Rio-2016

Conquistada, enfim, a inédita medalha de ouro no futebol brasileiro na Olimpíada do Rio de Janeiro, Neymar comemorou mas também entrou em nova confusão. Ao caminhar em campo, o jogador aparece rente à arquibancada do Maracanã e se estranha com um torcedor, que teria pedido a ele mais “raça” dentro de campo. Furioso com a cobrança, o jogador respondeu de forma exaltada teve que ser segurado para não agredir o torcedor.

 

Discussão com Dorival Júnior no Santos

Quando ainda estava na equipe paulista, Neymar já demonstrava seu temperamento forte em campo. Na partida contra o Atlético Goianiense, pelo  Campeonato Brasileiro, o atacante discutiu feio com Dorival Júnior, xingou o então treinador do Santos e bateu boca com o zagueiro Edu Dracena. O técnico adversário, Renê Simões, disse na ocasião que todos estavam “criando um monstro” e que o jovem jogador deveria ser educado.

Neymar, do Santos, na partida contra o Atlético-GO, pelo Brasileirão 2011
Neymar se envolveu em grande confusão no começo de carreira diante do Atlético-GO Paulo Whitaker/Reuters/VEJA

Neymar x Juanfran

Talvez o maior desafeto de Neymar dentro de campo seja o lateral-direito Juanfrán, do Atlético Madrid. Pontapés, carrinhos, trombadas e – claro – xingamentos marcaram os encontros de ambos.

https://www.youtube.com/watch?v=sxBVhlDXUkY

Neymar x Barragan

Em derrota do Barcelona para o Valencia, Neymar tentou dar um tapa no zagueiro Barragán, que comemorava a vitória. A confusão foi armada: os dois discutiram, trocaram xingamentos e foram separados pelos companheiros.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)