Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Neymar marca quatro e Brasil bate o Japão com facilidade

Seleção nem precisou forçar para golear em Cingapura. Dunga já soma quatro vitórias em quatro jogos desde a volta, com 8 gols marcados e nenhum sofrido

“Nem nos meus melhores sonhos com a seleção eu imaginaria isso. Mas aconteceu”, disse Neymar, agora o quinto maior artilheiro da equipe nacional (ultrapassou Bebeto nesta terça), sobre seus quatro gols

Desde o retorno de Dunga à seleção brasileira, muita coisa mudou: a formação do time, o estilo de jogo e parte do elenco estão diferentes. Assim como na Copa do Mundo, porém, o Brasil segue dependendo do brilho de seu maior craque. Neymar deu mais um show e marcou os quatro gols da vitória brasileira sobre o Japão em amistoso disputado nesta terça-feira, em Cingapura, por 4 a 0. Com uma apresentação segura, o Brasil mostrou um futebol eficiente e não precisou se esforçar muito para golear os japoneses. A seleção agora soma quatro vitórias em quatro jogos desde o retorno de Dunga ao comando do time. São oito gols marcados e nenhum sofrido. Depois de uma excursão aos Estados Unidos e outra à Ásia, com partidas contra três seleções sul-americanas e uma asiática, a equipe de Dunga voltará a medir forças com seleções europeias no mês que vem. Em 12 de novembro, o Brasil enfrenta a Turquia, em Istambul. No dia 18, o amistoso é contra a Áustria, em Viena.

Leia também:

Dunga ironiza sobre gesto e volta a se indispor com Globo

Em Cingapura, Dunga critica campo. David Luiz não treina

Após provocar e xingar, Dunga põe a culpa em massagista

​De volta ao estilo Dunga, Brasil derrota Argentina por 2 a 0

Desfalcada do zagueiro David Luiz, que sofreu uma lesão muscular e foi substituído por Gil, a seleção brasileira manteve a mesma formação que derrotou a Argentina, no sábado, em Pequim. Como o adversário era muito mais frágil, porém, o time controlou a posse de bola e ditou o ritmo da partida, jogando sem pressa e criando poucas oportunidades de gol. Se na Copa do Mundo Neymar sentiu falta de companheiros que o ajudassem na criação das jogadas ofensivas, nos últimos jogos ele tem se beneficiado da parceria com Diego Tardelli, que faz uma dupla promissora com o camisa 10. Autor dos dois gols brasileiros contra a Argentina, o atacante do Atlético-MG fez boa tabela com Neymar aos 11 minutos, mas o capitão do Brasil acabou sendo desarmado antes da conclusão. Aos 15, o craque saiu driblando em jogada individual e sofreu falta na entrada da área. Na cobrança, ele acertou a trave do goleiro Kawashima.

Aos 17, porém, Neymar não perdoou: depois de uma falha dos japoneses na intermediária, Tardelli aproveitou a sobra, puxou uma jogada rápida e acionou o camisa 10, que só cortou o goleiro e finalizou com muita categoria. Neymar teve mais uma chance aos 20, quando recebeu de Luiz Gustavo pela esquerda, entrou na área e bateu cruzado, para fora. Os japoneses, que não contavam com seus três principais jogadores (Honda e Nagatomo, que ficaram no banco, e Kagawa, machucado), buscavam uma reação, mas não conseguiam criar boas jogadas. O time treinado pelo mexicano Javier Aguirre poderiam ter uma chance de empatar aos 28, quando uma falta cobrada por Tanaka foi desviada com a mão por Luiz Gustavo, sobre a linha da área. A arbitragem, porém, não deu o pênalti. O outro lance de perigo do Japão aconteceu aos 35 minutos, quando Okazaki aproveitou cruzamento, completou de cabeça e deu um susto em Jefferson, mas a bola foi para fora. Em vantagem no marcador, o Brasil reduzia a marcha a se contentava em trabalhar a bola até o primeiro tempo acabar.

Testes – Dunga aproveitou para experimentar algumas de suas apostas: na volta para o segundo tempo, o time passou a ter Mário Fernandes no lugar de Danilo na lateral direita e Éverton Ribeiro e Philippe Coutinho nas vagas de Oscar e Willian na armação. Tentando dar mais criatividade à equipe, o técnico do Japão enfim colocou o meia Honda. O Brasil, porém, logo ampliou sua vantagem. Aos 2 minutos, os japoneses vacilaram no meio, Coutinho recuperou a bola e lançou Neymar, que ficou cara a cara com o goleiro e teve muita calma para tocar na saída de Kawashima. Depois de uma boa tentativa de Miranda, que aproveitou um escanteio para bater colocado, aos 8, fazendo o goleiro japonês se esticar para a defesa, o Japão quase diminuiu aos 10, com Okazaki, que soltou a bomba e acertou a trave. Aos 13, em mais um contra-ataque brasileiro, Neymar recebeu belo passe de Éverton Ribeiro na área, cortou o zagueiro e bateu firme, raspando a trave.

Aos 19, Dunga trocou Tardelli por Robinho, que nem sequer havia tocado na bola no duelo com os argentinos, quando só entrou no minuto final. Pouco depois, Souza, do São Paulo, estreou pela seleção, ocupando a vaga do titular Luiz Gustavo. Aos 30 minutos, Dunga mexeu de novo, tirando o volante Elias e colocando Kaká. O jogador do São Paulo acertou a trave logo no seu primeiro toque na bola, de cabeça, depois de cruzamento de Neymar da direita. Na sobra do mesmo lance, Coutinho chutou cruzado, o goleiro espalmou e o camisa 10 marcou seu terceiro gol, aos 31. Quatro minutos depois, o craque marcou pela quarta vez na partida. Robinho iniciou a jogada pela esquerda e passou para Kaká, que fintou o marcador e cruzou para o camisa 10 completar de cabeça. Neymar, de apenas 22 anos, agora soma quarenta gols pela seleção brasileira. Depois do quarto gol, o Japão se entregou de vez e passou a assistir às trocas de passes dos brasileiros até o apito final. “Nem nos meus melhores sonhos com a seleção eu imaginaria isso. Mas aconteceu”, disse Neymar, agora o quinto maior artilheiro da equipe nacional (ultrapassou Bebeto nesta terça), sobre seus quatro gols.