Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Neymar marca, apanha, bate, provoca e ataca a imprensa

Alvo de faltas duras, craque revidou e acertou o marcador em empate em SP

Por Da Redação 5 abr 2013, 08h43

“É um bando de bobão que fica inventando essas notícias falsas. Foi uma falta de respeito”, disse Neymar sobre a polêmica envolvendo Deco

Neymar entrou numa rotina incômoda nos últimos meses. Ao entrar em campo em partidas válidas por competições locais, o craque do Santos continua desequilibrando os jogos – mas é alvo de faltas duras, acaba perdendo a cabeça, decide revidar e é punido com cartões. Além disso, não consegue esconder seu incômodo com a pressão a que é submetido diariamente. O mesmo roteiro se repetiu na noite de quinta, quando ele entrou em campo para enfrentar o São Caetano pelo Campeonato Paulista, no Pacaembu. Com seu time em desvantagem no placar, Neymar marcou um bonito gol de falta e deu o empate ao Santos. Mas, irritado com as repetidas faltas cometidas pelos marcadores, perdeu a cabeça e acertou um deles, Adriano – o cartão amarelo ficou barato para o astro santista.

Leia também:

‘Agenda do futebol desgasta Neymar’, afirma assessor

Neymar e 9ine: negócios de 30 milhões de reais

Continua após a publicidade

Pelé critica Neymar – vaidoso, imaturo e ‘viciado’ em faltas

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

Ao deixar o campo, ele também comentou a declaração de Deco, do Fluminense, que disse que não gostava de Neymar como pessoa (depois, recuou e pediu desculpas). Neymar disse que Deco telefonou para ele para resolver o assunto. Apesar de a declaração de Deco ter sido reproduzida sem qualquer manipulação – numa entrevista gravada à Rádio Bradesco Esportes FM -, Neymar reclamou da imprensa, dizendo que a controvérsia foi fabricada por um jornalista. “É um bando de bobão que fica inventando essas notícias falsas. Foi uma falta de respeito tanto comigo como com o Deco. Somos amigos e nos falamos, e esse cara nos deixou em uma situação chata. É preciso parar com isso”, protestou.

(Com Estadão Conteúdo e agência Gazeta Press)

Continua após a publicidade
Publicidade