Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Neymar maduro da cabeça aos pés

O cabelo não tem mais tintura, a faixa de capitão não atrapalha e sobrou talento nos pés

Por Alexandre Senechal Atualizado em 29 mar 2017, 00h29 - Publicado em 29 mar 2017, 00h02

Neymar domina a bola na defesa e o marcador está próximo. O primeiro drible acontece rente à lateral esquerda. A bola não sai e antes que o segundo defensor paraguaio pudesse esboçar qualquer reação, o camisa 10 já escapou. Agora, só resta o zagueiro e o goleiro. Um drible de corpo e o chute. A finalização desvia e tira as chances de defesa de Anthony Silva. Um golaço que é o reflexo de sua nova fase na seleção brasileira: o amadurecimento finalmente chegou.

  • O cabelo não é mais louro e o corte é comum – a cor é a natural. A faixa de capitão, pela primeira vez empunhada desde a Olimpíada, não pesou. Neymar estava leve e a habitual habilidade com os pés foi potencializada a cada vez mais. Até a agressividade sumiu. O jogador chegou ao quarto jogo sem receber cartão pela primeira vez desde a expulsão contra a Colômbia na Copa América de 2015.

    O capitão de Tite na vitória por 3 a 0 sobre o Paraguai foi o nome do jogo e o único jogador a conseguir levantar a torcida na fria e silenciosa Arena Corinthians. Sempre que a bola caia no pé, ele partia para cima da defesa. E era parado com faltas, é claro. Só que agora ele apanha como sempre, mas (não) reage como nunca.

    “Agora fiquei mais maduro e só penso em ajudar meus companheiros. Quero estar focado nos meus deveres dentro do campo e deixar de lado as provocações. Quando a nossa equipe tá focada, o jogador brasileiro está focado, é difícil parar”, afirmou, ao lado de Tite, na Arena Corinthians, na entrevista coletiva na véspera do jogo.

    E Neymar estava focado. Ele iniciou várias jogadas de ataque saindo para esquerda e vindo para o meio, deu lindos dribles e balançou as redes duas vezes – uma no lance citado acima e outra em gol anulado tardiamente pela arbitragem. O pênalti perdido ainda no começo do segundo tempo não abalou o jogador, até porque a torcida não deixou. O estádio inteiro gritou o nome de Neymar logo após o lance para apoiar o jogador.

    A torcida jogou junto com o atacante. Cada vez que a bola chegou aos pés do camisa 10, era uma festa. A cada escanteio em que chegava perto da torcida para cobrar, era muito aplaudido. A atuação segura e decisiva de Neymar acalmou os 44.378 torcedores pagantes e o público ajudou a motivar Neymar. Uma combinação que dá segurança para que o time de Tite chegue forte para a disputa da Copa do Mundo do ano que vem.

    Continua após a publicidade
    Publicidade