Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Neymar apanha, dribla e responde à paródia da torcida são-paulina

Por Da Redação 30 abr 2012, 00h51

Para fazer três gols e decidir o San-São deste domingo, Neymar enfrentou pancadas de marcadores individuais, como Piris e Rodrigo Caio, evitou uma briga que Cícero estava disposto a armar ao ser expulso e ouviu até a torcida são-paulina ironizar uma de suas músicas preferidas. Como resposta, a dançou após balançar as redes pela terceira vez e no final da partida, classificado para a decisão do Campeonato Paulista.

No intervalo, quando o atacante já havia feito dois gols, os são-paulinos das arquibancadas fizeram uma paródia com ‘Eu Quero Tchu, Eu Quero Tcha’, de João Lucas e Marcelo, cantando ‘Eu quero tchu, eu quero tcha, eu quero a bunda do Neymar’.

O atacante revidou depois de seu terceiro gol. Em frente à torcida são-paulina que estava perto da meta de Denis, comemorou ao lado de Ganso e Arouca dançando a música ‘Ai Se Eu Te Pego’, de Michel Teló, e antes de voltar ao campo do Peixe, sozinho, fez as coreografias do ‘Tchu, Tcha’ olhando para os torcedores adversários. Repetiu a dança ao final do jogo, ao lado de Léo, mas desta vez de frente para o local destinado aos fãs santistas.Em campo, o duelo foi bem mais ríspido. Durante quase todo o primeiro tempo, teve Piris em seu encalço. O paraguaio não saía do lado do astro mesmo quando a bola era do São Paulo. Enquanto estava no meio-campo, chegou até a dar dois passos para aproveitar um espaço na defesa do Peixe, mas rapidamente se lembrou de sua missão e recuou para acompanhar o camisa 11. Mesmo quando Léo passava, a marcação passava para o centroavante Willian José se fosse necessário.

O camisa 2 do Tricolor, porém, desgrudou de Neymar duas vezes. Em uma, Denis segurou a finalização do atacante. Na outra, o ídolo do Santos marcou o segundo gol. Erro que causou tanta irritação que Piris, no primeiro toque seguinte ao lance, literalmente levantou o jogador, sem nem olhar para o adversário, que ficou bastante tempo caído na lateral com dores nas costas.

Neymar respondeu como pôde. Na primeira bola que teve nos pés, driblou Piris quatro vezes, levantou a torcida, fingiu procurar um colega e deu mais uma finta, quando levou nova entrada dura. O lateral recebeu cartão amarelo, para protesto tão grande dos atletas do São Paulo que até Cícero foi advertido ao reclamar e atirar a bola no santista. O médico e massagista do Santos que atenderam o seu jogador riam do que acontecia.Mas Neymar, irritado, só não entrou na confusão porque foi contido por Elano e Ganso, enquanto Léo lhe pediu para continuar retrucando com dribles em Cícero. Acalmado, o atacante viu que conseguiu o que queria, embora pedisse até o vermelho. ‘Mas não sou o árbitro’, lamentou, no intervalo.

De qualquer forma, Piris amenizou a marcação e foi sacado no intervalo. A tarefa de segui-lo passou a ser de Rodrigo Caio, que foi expulso ao ter a mesma missão no clássico da primeira fase do Paulista. Neste domingo, o volante improvisado na lateral, em um dos primeiros choques, deixou Neymar no chão, se contorcendo para tentar respirar após levar um tranco nas costas e uma bolada no pescoço.

Mas Neymar se recuperou, fez o segundo gol e, aos 38 minutos, gerou a expulsão de Cícero com mais um drible. Ao ver o cartão vermelho, o santista disse ‘tchau palhaço’ ao meio-campista do São Paulo, que o chamou para a briga e foi prontamente ignorado pelo artilheiro da tarde.

Nos acréscimos, o dono da camisa 11 azul no San-São ainda fez Rodrigo Caio receber amarelo. Mas, ao apito final, cumprimentou um a um todos os jogadores do São Paulo que viu pela frente, como um astro que agradece ao seu público. Trocou de camisa com o amigo Lucas e partiu para a dança ao se despedir do Morumbi, palco de seu show neste domingo.

Continua após a publicidade
Publicidade