Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Natação: Bruno Fratus conquista prata no Mundial

Brasileiro só ficou atrás do americano Caeleb Dressel, maior estrela da competição em Gwangju, na Coreia do Sul

Por Estadão Conteúdo Atualizado em 27 jul 2019, 15h25 - Publicado em 27 jul 2019, 15h24

A natação do Brasil conquistou mais uma medalha no Mundial de Esportes Aquáticos, disputado em Gwangju, na Coreia do Sul. Neste sábado, 27, Bruno Fratus ficou com a prata nos 50 metros livre. Ele terminou a prova em 21s45, marca superior à que anotou na semifinal, e exatamente a mesma alcançada pelo grego Kristian Gkolomeev, com quem dividiu o segundo posto.

O ouro foi para o americano Caeleb Dressel, maior estrela desta edição do Mundial, que confirmou o favoritismo ao completar a prova em 21s04 e quebrar o recorde da competição, que pertencia ao brasileiro Cesar Cielo – o recorde mundial, de 20s91, ainda é de Cielo.

“É uma faca de dois gumes. Terceiro pódio seguido, quer dizer muito para mim, ser vice-campeão mundial de novo é grande, é enorme para mim. Por outro lado, queria nadar mais rápido, fazer 21 segundos dá para fazer, não é de outro mundo”, disse Fratus em entrevista ao Sportv.

  • Fratus chegou ao Mundial com o então melhor tempo do ano, mas não foi capaz de superar Dressel neste sábado. Atual campeão mundial desta prova, o americano já faturou sete medalhas na Coreia do Sul, seis delas de ouro, e uma de prata. No total, a maior estrela atualmente da natação mundial ostenta 13 ouros e uma prata em Mundiais.

    Em 2017, em Budapeste, na Hungria, Fratus foi prata nos 50 metros livre e no revezamento 4×100 metros livre. Em 2015, em Kazan, na Rússia, o nadador brasileiro faturou o bronze nos 50 metros livre. Em Tóquio-2020, Fratus tentará sua primeira medalha olímpica. Ele foi finalista dos 50 metros livre em 2012 e 2016. Em Londres, bateu na trave ao chegar em quarto e, no Rio, terminou em sexto.

    Continua após a publicidade

    Nos 50 metros costas, Guilherme Guido não avançou à final por muito pouco. Na semifinal, o brasileiro ficou em sexto lugar em sua série, e em nono no geral. Ele anotou o tempo de 24s87 e não conseguiu um lugar na decisão da prova por apenas um centésimo. O russo Kliment Kolesnikov, que anotou 24s35, cravou a melhor marca.

    Continua após a publicidade
    Publicidade