Natação: Brasil é campeão no 4×200 metros e bate recorde no Mundial

Time surpreendeu após o sexto lugar na semifinal

Por Estadão Conteúdo - Atualizado em 14 dez 2018, 15h32 - Publicado em 14 dez 2018, 13h40

O Brasil voltou a brilhar em uma prova de revezamento no Mundial de Natação em Piscina Curta (25 metros), realizado em Hangzhou, na China. Nesta sexta-feira, 14, a equipe nacional surpreendeu na disputa masculina do 4×200 metros livre ao faturar a medalha de ouro e ainda quebrar o recorde mundial da prova com a marca de 6min46s81.

O quarteto do país na final foi formado por Luiz Altamir, Fernando Scheffer, Leonardo Santos e Breno Coreia e triunfou com uma vantagem de apenas 0s03 para o time da Rússia, a segunda colocada, com 6min46s84. E a China completou o pódio ao cravar 6min47s53.

Com a equipe nadando quase sempre abaixo da linha do recorde mundial Luiz Altamir iniciou a prova em ritmo forte e liderou a disputa em praticamente todos os primeiros 200 metros. Depois, Scheffer completou a sua participação em primeiro lugar, mas Santos encontrou mais dificuldades no duelo com chineses e russos. Só que Breno Correia teve desempenho espetacular no fim para assegurar a medalha de ouro.

O resultado pode ser considerado surpreendente, pois o Brasil havia avançado para a final na sexta posição, sendo que o quarteto acabou sendo trocado para a briga com a medalha, com Leonardo de Deus cedendo a sua vaga para Leonardo Santos. O time conseguiu bater os favoritos Rússia, China e Estados Unidos, com uma equipe jovem – o mais velho é Leonardo Santos, de 23 anos.

Publicidade

A conquista emocionou os brasileiros, que choraram nas primeiras declarações após o feito alcançado. “É um sonho que todo mundo queria. A gente conseguiu”, disse Altamir,chorando, e bastante rouco, em entrevista ao SporTV. “Isso mostra que esta nova geração está para arrebentar”, acrescentou.

A medalha desta sexta-feira foi a segunda obtida pelo Brasil nesta edição do Mundial. Antes, a equipe nacional levou o bronze na disputa do 4×100 metros livre, com um quarteto que também contava com a presença de Cesar Cielo.

“É muita satisfação. O Brasil mostra mais uma vez que é forte no revezamento. Fomos bem no 4x100m livre e agora também. O nosso time tem a chance de mesclar atletas veteranos com os mais novos. Isso é muito importante e reflete nesse resultado”, celebrou Breno.

Cielo fica em sétimo na final dos 50m livre

Naquela que pode ter sido a última prova individual da sua carreira, Cesar Cielo ficou distante do pódio. Nesta sexta-feira, o campeão olímpico foi apenas o sétimo colocado na disputa dos 50 metros livre no Mundial de Piscina Curta.

Publicidade

O nadador brasileiro de 32 anos completou a prova com o tempo de 21s20, sendo 0s14 mais lento do que o tempo registrado por ele nas semifinais. E ficou distante da briga pelo pódio, sendo que o russo Vladimir Morozov conquistou o ouro com a marca de 20s33. O norte-americano Caeleb Dressel foi o segundo colocado, com 20s54,e o sul-africano Brad Tandy garantiu a terceira posição, em 20s94. “Passou rápido. Acordei um pouco sem potência, estou mais cansado”, disse Cielo, em entrevista ao SporTV.

Na disputa dos 50 metros costas, Guilherme Guido foi o quinto colocado em uma final muito equilibrada ao cravar o tempo de 22s79. O brasileiro ficou a apenas 0s21 do russo Evgeny Rylov, que levou o ouro com 22s58. O norte-americano Ryan Murphy veio logo atrás, com 22s63, e o irlandês Shane Ryan foi o terceiro colocado, com 22s76. “O que eu posso dizer é que dei 100%. Eles nadaram melhor. Foi praticamente igual. Saio contente com o desempenho”, comentou.

Caio Pumputis participou da final dos 100m medley e terminou na oitava colocação, com a marca de 52s28. O russo Kliment Kolesnikov levou o ouro com o recorde do campeonato, em 50s63. E o pódio foi completado pelo italiano Marco Orsi, com 51s03, e o japonês Hiromasa Fujimori, com 51s53. “Senti um pouco o final de prova, a transição do costas para o peito não foi das melhores. Estou feliz de estar brigando, mas não muito contente com o tempo e a parte técnica”, afirmou.

Publicidade