Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Não somos atletas olímpicos’, diz Anderson Silva sobre rigor com doping

Neste sábado, ex-campeão retorna ao octógono diante do nigeriano Israel Adesanya, no UFC 243, em Melbourne, na Austrália

Anderson Silva está de volta ao octógono após dois anos. Nesse período, o ex-campeão peso médio cumpriu suspensão de um ano imposta pela Agência Antidoping dos Estados Unidos (Usada, na sigla em inglês). Agora, o “Spider” encara o nigeriano Israel Adesanya, em Melbourne, na Austrália, pelo UFC 243, que acontece na madrugada de sábado, 9, para domingo, 10.

A luta de Anderson Silva será a segunda principal da noite, antecedendo a disputa do cinturão entre Robert Whittaker contra Kelvin Gastelum. Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo nesta sexta-feira, 9, o atleta de 43 anos comentou sobre as exigências da Usada em relação ao doping no MMA.

“A Usada faz muito bem o trabalho dela. Mas a gente não pode esquecer que não é um esporte olímpico. De repente você toma uma aspirina e cai no doping. Não somos atletas olímpicos. É nessa questão que acaba pegando um pouco. Alguns podem até ser ex-atletas olímpicos. Mas a gente não tem um ciclo olímpico. Acho que muita coisa que acaba sendo feita atrapalha um pouco. Mas a Usada faz o trabalho dela e a gente tem que respeitar”, disse.

Anderson, flagrado três vezes no doping ao longo da carreira, a última em dezembro de 2017 pelo uso de testosterona sintética (metiltestosterona) e diurético, acredita que a maioria dos atletas não se dopa por má fé.

“Quando o lutador tem algum problema e precisa de substâncias ou remédios, tem que chegar e conversar com a Usada. A primeira coisa que o atleta precisa fazer é falar com os médicos e explicar a situação. A Usada não é um bicho de sete cabeças. Claro que cada situação é diferente e eles vão entender. As pessoas criam um monstro por trás da Usada que não é bem assim. Eles estão ali para proteger os atletas. Eles estão sempre dispostos a colaborar e a gente tem que colaborar também. Fazer cada um a sua parte.

O veterano lutador brasileiro minimizou as comparações entre ele e seu adversário,Israel Adesanya, de 29 anos, tratado por alguns analistas e fãs como uma “versão mais nova e melhorada de Anderson Silva”. “Somos dois atletas diferentes. Não tem como você comparar o Neymar e o Messi, o Cristiano Ronaldo com Ronaldinho Gaúcho. Cada um tem as suas habilidades naturais. Cada um tem o seu talento. Não existe comparação.”