Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

‘Não queria machucar o braço do Minotauro’, diz Werdum

<p>Gaúcho finalizou um de seus ídolos na noite de sábado, no UFC de Fortaleza</p>

Por Davi Correia, com fotos de Heitor Feitosa, de Fortaleza Atualizado em 11 jan 2022, 21h29 - Publicado em 9 jun 2013, 02h42

“Eu quero entrar no octógono o mais rápido possível, mas aceito esperar um pouco, se o UFC preferir assim”, disse Werdum

Sem querer alimentar qualquer rivalidade, o gaúcho Fabrício Werdum já tinha dito que Rodrigo Minotauro, seu adversário no UFC de Fortaleza, neste sábado, era um dos seus ídolos no MMA. Depois de finalizar o veterano com uma chave de braço no segundo round, Werdum acabou lamentando a força do próprio golpe e explicou que não teve qualquer intenção de machucá-lo. “Eu percebi que deu uma esticada no braço do Minotauro, mas não queria que ele se ferisse”, disse o vencedor. “Segui minha estratégia. Percebi que ele queria terminar no primeiro round, com seu excelente boxe, então decidi levar a luta para o chão”, explicou Werdum. Minotauro não participou da entrevista coletiva no ginásio Paulo Sarasate – foi para o hospital para ter o braço examinado. Um dos técnicos do atleta, Luiz Dórea, informou que o raio-x não apontou fratura. Minotauro, de 37 anos, dizia que ainda sonhava com uma chance de título, mas a derrota neste sábado deixa esse objetivo muito distante. O próximo evento do UFC no país será em agosto, no Rio de Janeiro.

Leia também:

UFC em Fortaleza: Werdum finaliza Minotauro no 2º round

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Leo Santos derrota Patolino e vence decisão do reality TUF

Thiago Silva ‘apaga’ o estreante Feijão após troca de farpas

Torcida empurra e brasileiros atropelam atletas estrangeiros

Como Dana White, o presidente do UFC, não veio ao Brasil, coube a Marshall Zelaznik, executivo da franquia, comandar a entrevista pós-evento. Ele elogiou a apresentação de Werdum, mas explicou que o torneio ainda não tem uma decisão oficial sobre quem será o próximo adversário do brasileiro. Werdum gostaria de enfrentar o campeão Cain Velasquez, que está apalavrado para lutar contra Júnior Cigano, no segundo semestre deste ano, mas já aceita esperar e desafiar o vencedor do combate. “Não sei quem ganhará a luta entre Velasquez e Cigano, vai ser muito disputado. Eu quero entrar no octógono o mais rápido possível, mas aceito esperar um pouco, se o UFC preferir assim.” Fabrício Werdum também lembrou que o fato de ter vencido um adversário forte como Rodrigo Minotauro o credencia a uma disputa de cinturão. Conforme o executivo do UFC, os bônus da noite foram para Thiago Silva (melhor nocaute) e Erick Silva (melhor finalização). Além disso, Thiago Silva e Rafael Feijão fizeram a luta da noite e levam mais 50.000 dólares cada.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

  • Dana White, o chefão do UFC
  • As ring girls no UFC São Paulo
  • UFC: a ring girl Arianny Celeste na praia, no Rio
  • UFC SP: o que você não viu na TV
  • UFC: Anderson Silva em fotos exclusivas para VEJA
  • UFC Rio 3: o que você não viu na TV
  • UFC Rio 3: por dentro do evento
  • Ronda Rousey, a nova musa do UFC
  • UFC: Anderson Silva x Chael Sonnen
  • No octógono com Júnior Cigano, campeão do UFC
Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Publicidade