Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Não foi só o bigode: para equipe, Fred enfim se encontrou

Felipão e Neymar elogiam a atuação do atacante, que se disse aliviado depois de sofrer com 'carga muito pesada' nos primeiros jogos do Brasil no Mundial

“Eu falei para ele: ‘Pô, Fred, você tem que deixar o bigode, aí você vai fazer gol'”, contou Neymar. “Depois do jogo eu ainda disse: ‘Está vendo como não falha�?'”

A afobação da seleção na primeira fase da Copa do Mundo contagiou principalmente o comandante do ataque brasileiro. De acordo com diagnóstico do próprio técnico Luiz Felipe Scolari, Fred “estava muito ansioso” até marcar seu primeiro gol no torneio, na segunda-feira, em Brasília, na goleada contra Camarões. Felipão acha que Fred não deve se preocupar com os gols, e sim em cumprir sua função tática – o resto, diz o técnico, será consequência. “Ele é aquele jogador que precisa fazer a parede, escorar. É forte e alto, salta bem, tem imposição física. Mas ele vinha se livrando muito rapidamente da bola, estava afoito para fazer o gol. Só que isso tem de acontecer naturalmente. Na Copa das Confederações também foi assim. Quando equilibra o time, o Fred aparece. É um jogador da minha inteira confiança e sabe disso.”

Leia também:

Neymar dá show e Brasil segue adiante, apesar de sustos

Fernandinho transformou a seleção – mas não se garantiu

Felipão: ‘Agora já não podemos mais cometer tantos erros’

Brasil revê Chile em Minas. E vai aproveitar lições de 2013�

Felipão avalia que o camisa 9 terá um papel ainda mais destacado nas oitavas de final, contra o Chile, no sábado, em Belo Horizonte. “Ele já cresceu um pouquinho no terceiro jogo. Ainda não é o Fred da Copa das Confederações, mas tem possibilidade de, com esse gol e com a maneira como jogou em Brasília, crescer ainda mais� mais. Ele já teve um posicionamento diferente contra Camarões, ajudou um pouco mais na marcação, se posicionou como no ano passado, e só tende a crescer.” O camisa 9, que apareceu para o jogo de bigode, para tentar dar sorte, agradeceu aos companheiros pela confiança e prometeu manter o visual que coincidiu com sua melhor atuação no Mundial até aqui. Foi o segundo gol de Fred em Copas – o primeiro foi marcado contra a Austrália, também pela primeira fase, na Alemanha-2006.

Leia também:

Neymar, o artilheiro, vai superando as lendas e campeões

Torcida do DF tenta levantar equipe, mas não impressiona

Após disputa no Castelão, torcida brasileira domina capital

Confira todas as estatísticas da partida de segunda, no DF

“A carga estava muito pesada para cima de mim”, confessou o atleta na saída do gramado. Ele disse ter feito uma preparação mental especial para o jogo, de forma a manter a tranquilidade. Mas Fred garante que não era o jejum de gols que o incomodava, e sim a forma como a equipe estava atuando, sem criar tantas chances de gol – e sem conseguir aproveitá-las para transferir sua superioridade ao placar das partidas. Questionado sobre o desempenho do companheiro, com quem formou uma dupla tão letal na Copa das Confederações, o craque Neymar preferiu não se aprofundar demais na parte técnica e insistiu na superstição do artilheiro. “Eu falei para ele: ‘Pô, Fred, você tem que deixar o bigode, aí você vai fazer gol’. Depois do jogo ainda disse: ‘Está vendo como não falha�?'”