Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Nadal lamenta não ter dado show em SP – e critica a ATP

O espanhol reclamou da bolinha do Brasil Open, mas evitou culpar brasileiros

“A culpa é da ATP, que não tem capacidade e nem estrutura para poder analisar as condições do material”, disse Nadal sobre as bolinhas usadas no torneio

No fim do ano passado, Roger Federer, considerado por muitos o maior tenista de todos os tempos, deu um show de profissionalismo em sua participação num torneio amistoso em São Paulo. Agora foi a vez de Rafael Nadal, o espanhol que é apontado como o melhor da história nas quadras de saibro, mostrar por que é um dos atletas mais importantes da modalidade. Ciente do peso de suas palavras, Nadal evitou repetir as críticas de outros tenistas estrangeiros às condições oferecidas aos atletas no Brasil Open, no Ibirapuera, em São Paulo. Ao invés disso, deixou claro que a culpa pelas falhas não é dos organizadores locais, e sim da entidade responsável por gerenciar o esporte e regulamentar os grandes torneios do mundo. Irritado com as falhas na administração do tênis, Nadal é um grande crítico da Associação dos Tenistas Profissionais (ATP) e sempre cobra mudanças para melhorar a modalidade, alimentada por patrocínios multimilionários e seguida por multidões de fãs nos países mais ricos do mundo.

Leia também:

Brasil Open tem quadra interditada por más condições

Nadal anuncia desistência da chave de duplas em São Paulo

Nadal festeja vitória e volta ao Brasil: ‘Muito emocionante’

Em SP, Nadal lamenta as dores – e evita pensar em título

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

Ao avaliar o torneio, Nadal isentou as quadras de saibro montadas no complexo do Ibirapuera – e muito criticadas por outros tenistas. Uma das quadras, inclusive, foi interditada pela ATP horas antes de seu jogo. O espanhol, que só jogou na quadra central, achou que o problema mais grave era mesmo a bolinha, com características que deixam a partida em condições “difíceis”. “O controle da bola é complicado.” Sabendo que a expectativa da torcida era de ver grandes jogadas, o espanhol se disse desapontado por não ter conseguido mostrar seu melhor – e fez muitos elogios ao público. “A partida foi normal. Não foi fantástica de assistir por causa das condições adversas. Mas o ambiente é fantástico e a torcida é muito bonita. É algo que não tem preço, é difícil de explicar. Só posso agradecer e tentar retribuir”. O grande favorito ao título, que voltou às competições na semana passada depois de sete meses afastado, volta à quadra na noite desta sexta, pelas quartas de final, contra o argentino Carlos Berlocq.

(Com Estadão Conteúdo)