Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Na grama sintética, o Palmeiras joga para continuar vivo

Equipe enfrenta o Tijuana, às 22h30 (de Brasília), no jogo de ida das oitavas

“A torcida pode acreditar no Palmeiras. Estamos totalmente focados na Libertadores”, disse Gilson Kleina

Depois de quase 17 horas de viagem, o Palmeiras encara o Tijuana nesta terça-feira, às 22h30 (de Brasília), em jogo pelas oitavas de final da Copa Libertadores, tentando acabar com o mau desempenho fora de casa: na fase de classificação, foram três derrotas nos três jogos, sem marcar um gol sequer. O time só se classificou em primeiro na chave porque conseguiu manter o aproveitamento de 100% nos jogos em casa e foi beneficiado pelos demais resultados. Agora, para o técnico Gilson Kleina, é hora de acabar com essa escrita, pensando principalmente na importância de marcar gols fora de casa no mata-mata. “Empatar com gol conta muito, e o que mais vou querer é trazer a vantagem. O segundo jogo em casa é importante se a gente tiver vantagem. Temos que fazer a leitura rápida e entender que temos 180 minutos. O Tijuana fez a sua classificação principalmente em casa”, afirmou o técnico Gilson Kleina.

Leia também:

Leia também: Libertadores vira um ‘Brasileirão’ no mata-mata; confira duelos

O técnico deve repetir boa parte do time que foi eliminado pelo Santos no Campeonato Paulista, no sábado, à exceção de Leandro e Léo Gago, que não podem jogar a Libertadores porque foram inscritos pelo Grêmio em fases anteriores. Souza e Kléber devem ser os substitutos. Kleina pede tranquilidade e confiança aos torcedores, e jura que todos no elenco já esqueram a eliminação no Estadual. “A torcida pode acreditar no Palmeiras. Estamos totalmente focados na Libertadores. Precisamos jogar com inteligência. No Paulistão tudo foi decidido em uma partida, mas na Libertadores serão duas. Jogaremos no México sabendo que precisamos voltar para o Brasil com vantagem”, explicou o treinador.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

O Tijuana também amargou uma eliminação no fim de semana, ainda na fase inicial do Torneio Clausura do Campeonato Mexicano, e o técnico Antonio Mohamed tem que lidar com a pressão da diretoria. Na Libertadores, porém, o time fez campanha perfeita em casa, com três vitórias e nenhum gol sofrido. “O Palmeiras é um adversário complicado, mas será muito importante ganhar e manter o zero no placar, para jogarmos mais tranquilos no Brasil”, defende o treinador, que pode ser demitido em caso de eliminação, segundo a imprensa mexicana. A partida, no estádio Caliente, terá arbitrgem uruguaia: Martín Vázquez será o juiz, auxiliado por Mauricio Espinosa e Marcelo Costa.

(Com agências Gazeta Press e EFE)