Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Entre vaias e aplausos, Bolsonaro teve ‘noite de Dilma’ no Maracanã

O presidente foi recebido com cumprimentos por parte da torcida; na cerimônia de premiação, porém, sua presença no gramado foi reprovada pela maioria

RIO DE JANEIRO – Era para ser a apoteose do show orquestrado por ele próprio no Maracanã. Mas no minuto em que a figura do presidente Jair Bolsonaro foi projetada nos telões do estádio da final da Copa América, durante a cerimônia de premiação da competição, uma sonora vaia tomou conta do palco da grande decisão, vencida pelo Brasil por 3 a 1 sobre o Peru. A grande maioria dos 69.986 espectadores do Maracanã reprovou a presença do político na celebração, como aconteceu tantas vezes com a ex-presidente Dilma Rousseff, embora tivesse quem o aplaudisse entre os presentes. Um tímido grito de “Mito! Mito!” não ganhou coro e foi rapidamente abandonado.

Convidado pela Confederação Sul-Americana de Futebol a participar da celebração, Bolsonaro foi quem vestiu a medalha de campeão no técnico Tite, que o cumprimentou fazendo uma reverência. O presidente tentou um abraço mais efusivo, puxando o treinador pelo pescoço, mas não teve sucesso. O zagueiro Marquinhos sequer apertou a mão do presidente, passando reto pelo mandatário (depois, na zona mista, o camisa 4 disse já havia o cumprimentado). Como um verdadeiro penetra de festa, Bolsonaro “invadiu” a celebração dos jogadores brasileiros. Ele se posicionou a frente da taça, que estava apoiada sobre o gramado, tomou-a nas mãos e convocou uma nova série de poses para os fotógrafos. Nesse momento, Tite se manteve mais distante, e não posou para as fotografias ao redor do presidente.

O ministro da Justiça Sergio Moro conversa com o presidente Jair Bolsonaro na tribuna de honra do estádio do Maracanã (Carl de Souza/AFP)

A “atuação” do presidente – Faltavam 20 minutos para o início da partida final entre Brasil e Peru quando o presidente chegou ao Maracanã. A comitiva presidencial de mais de trinta veículos chegou com escolta policial e das Forças Armadas. Diversos seguranças vestidos de terno e gravata se espalharam pela tribuna de imprensa, localizada bem acima dos camarotes do Maracanã. Entre os presentes estavam o ministro da Justiça, Sergio Moro, o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o ministro da Cidadania, Osmar Terra.

Ao chegar na tribuna de honra do Estádio do Maracanã, Bolsonaro fez questão de abraçar efusivamente o prefeito da cidade do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB-RJ). Quando os espectadores dos assentos mais exclusivos notaram a presença do presidente nos camarotes, eles deram as costas para o gramado e rapidamente sacaram os celulares para registrar o momento. O mandatário retribuiu os acenos com sinais de positivo com os dedos, com acenos e até mesmo um coraçãozinho para o público.

O ministro Moro, acuado pela série de revelações sobre sua atuação ao longo do julgamento dos acusados pela Operação Lava-Jato, não saiu da cola de Bolsonaro. O acompanhou praticamente o tempo inteiro. Quando do primeiro gol brasileiro, o presidente fez questão de erguer o braço de seu subordinado, como se estivesse o ensinando a se comunicar com as massas. Apenas no intervalo se distanciaram, justamente quando o presidente começou a atender aos vários pedidos de selfie daqueles que dividiam os camarotes com o mandatário. Foram vários pedidos, de famosos – caso do ex-jogador e capitão do penta Cafu – e a anônimos, todos atendidos por Bolsonaro. O clima estava tão favorável que o presidente participou efusivamente da Ola comandada pelos torcedores.

O presidente deixou seu assento, estrategicamente posicionado ao lado do ministro Moro, aos 35 minutos do segundo tempo. Apesar da vitória temporária da seleção brasileira, Bolsonaro preferiu acompanhar de pé mais alguns minutos do jogo, como se quisesse se garantir da vitória antes de descer ao nível do gramado para a cerimônia de premiação. Mesmo assim, ele não viu a marcação do pênalti e o gol de Richarlison, que sacramentaram a conquista brasileira.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Não entendi o Moro ao lado do presidente em um jogo de futebol, já que em jogos de futebol, nós vamos com o grandes amigos, nesse caso, o mais adequado seria o Queiroz.

    Curtir