Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Na 1ª noite do Rio Open, clima esquenta entre torcida e tenista espanhol

Alejandro Davidoch Fokina foi eliminado pelo brasileiro Thiago Wild no jogo mais longo - e tenso - da história do Rio Open

Por Danilo Monteiro Atualizado em 19 fev 2020, 22h07 - Publicado em 18 fev 2020, 00h27

A primeira noite do Rio Open teve clima “de futebol” na quadra central, em vitória do brasileiro Thiago Wild, número 206 do ranking da ATP, sobre o espanhol Alejandro Davidoch Fokina (90º), nesta segunda-feira, 18, com parciais de 5×7/7×6/7×5, em 3h50 de jogo – um recorde no torneio. A partida atraiu o que o futebol tem de melhor e, infelizmente, de pior, com grandes lances, drama, entrega máxima dos atletas, mas também repleta de discussões, catimba e mau exemplo por parte de alguns torcedores.

No primeiro set, Thiago Wild sacou em um 5×4, mas foi quebrado por Fokina, que fechou o set com parcial de 7×5. O nervosismo do brasileiro se repetiu em situação idêntica no segundo set, mas, desta vez, Fokina perdeu o controle em razão da pressão imposta pela torcida brasileira. Quanto mais o espanhol passou a reclamar, mais a torcida provocou, com alguns torcedores extrapolando os limites ao xingar o Fokina várias vezes em espanhol.

A situação chegou ao limite quando Fokina recebeu uma advertência no tie-break e, enquanto reclamava com o juiz, sacou por baixo de maneira inesperada. Wild não estava preparado, acabou perdendo o ponto e partiu para cima de Fokina, obrigando o juiz a descer e tentar apaziguar a situação, em uma cena incomum no circuito de tênis. A reclamação do espanhol continuou à beira da quadra e Wild resolveu sacar, revidando o ato do adversário, mas o ponto não foi validado, gerando novo bate-boca, agora por parte do brasileiro, que fechou o set em 7×6.

  • “Eu não estava olhando, tanto que saí olhando para o juiz. Eu não estava pronto, ele parou depois do primeiro saque e só vi a bola e tentei correr atrás dela. Acho que o árbitro tomou uma decisão errada. Não concordo, mas foi o que aconteceu e o jogo tem de seguir”, disse Wild sobre o lance que gerou a discussão com Fokina.

    Wild se aproveitou do clima na torcida e da perda de controle de Fokina e abriu 3 a 0 no último set, mas o drama recomeçou com uma virada do espanhol. Com os dois tenistas pressionados e dando diversas chances de quebra em seus saques, Wild levou a melhor e conseguiu a vitória por 7×5, no jogo mais longo da história do Rio Open.

    Continua após a publicidade

    Perguntado sobre o conflito com a torcida, Davidoch Fokina preferiu não comentar. Thiago Wild agradeceu o apoio do torcedor e amenizou o conflito entre os brasileiros e o tenista espanhol. “Se o jogo tivesse sido na Espanha, teria acontecido a mesma coisa para mim. Algum fator extra-quadra pode interferir em alguns momentos, mas os jogadores precisam saber lidar com isso”.

    Sobre a discussão com Fokina, Wild garantiu que não lembra o que ouviu ou disse para o espanhol. “Eu vou ser bem honesto, não lembro o que aconteceu, não lembro o que eu falei e o que ele falou. Eu estava concentrado no meu jogo e em como fechar o set. Independentemente disso, ninguém faltou com respeito. O que acontece na quadra, fica na quadra.

    Continua após a publicidade
    Publicidade