Clique e assine a partir de 9,90/mês

Murray quer aproveitar segunda chance em casa em Londres-2012

Por Da Redação - 10 jul 2012, 13h03

O britânico Andy Murray, vice-campeão de Wimbledon após ser derrotado pelo suíço Roger Federer, no último domingo, terá nova chance diante de conquistar um dos títulos mais importantes do tênis diante de sua torcida. Número quatro do mundo, Murray vê nos Jogos Olímpicos de Londres-2012, também disputados na grama sagrada do All England Club, oportunidade de novamente fazer história em sua terra natal.

Primeiro tenista local a chegar a uma final do Grand Slam britânico em 76 anos, Murray tem outro tabu a quebrar pela frente. Desde 1908, quando Londres também foi sede dos Jogos Olímpicos, um tenista britânico não avança a decisão do torneio de simples da competição.

‘Em termos esportivos, eu diria que ganhar um ouro olímpico é mais importante que ganhar um Grand Slam. Todos sabem o que é um ouro olímpico, todos entendem isso. As pessoas na rua reconhecem isso não importa onde você vá. Acredito que a maioria das pessoas sabem o que é um Grand Slam, mas não acho que sejam todas’, afirma Murray, em entrevista ao jornal britânico The Independent.

Murray também comentou sua preparação para o torneio olímpico, após duas semanas seguidas competindo pelo Grand Slam.’Vou aguardar e ver como meu corpo reage nos próximos dias. Caí muitas vezes neste torneio, colecionei muitas contusões pelo meu corpo. Preciso de alguns dias de folga, deixar tudo se curar, recuperar e aí decidir. Mas não entrarei em quadra na próxima semana, com certeza’, garante. ‘Talvez eu vá para longe, para Miami ou algum outro lugar na Europa. Eu poderia ficar em casa e aproveitar estar ali, mas o clima neste país é horrível’, brinca.

Continua após a publicidade

Sobre o torneio olímpico, Murray salientou o fato de os jogos voltarem a ser decididos em melhor de três sets, diferente dos cinco que podem ser disputados no Grand Slam.

‘Os Jogos Olímpicos serão um pouco diferente (de Wimbledon), já que será disputado em melhor de três sets. Você não pode ter um início devagar, não pode se permitir a perder games. É necessário estar na partida do início ao fim. Vai ser um torneio difícil, mentalmente, e eu preciso estar em boas condições para isso, principalmente porque também disputarei as duplas, também’, analisa.

Determinado a não deixar a derrota para Federer abalá-lo, Murray relembra a previsão que fez para esta temporada. ‘Afirmei no final do ano passado que este ano seria difícil, física e mentalmente. Você precisa estar atento com o seu calendário, precisa ser inteligente. Neste momento, preciso ter certeza que descansarei pelo tempo certo. Seria um erro voltar a treinar agora’, diz.

‘Preciso ter certeza que tomarei as decisões certas nas próximas semanas, para ao menos ter uma oportunidade (de vencer o torneio olímpico). Vencer as Olimpíadas seria uma grande, grande mina de ouro’, conclui.

Publicidade