Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Murray bate Djokovic e conquista o Aberto dos EUA, seu primeiro Grand Slam

Partida durou 4h54, um minuto a menos que a mais longa final de US Open, entre Wilander e Lendl, em 1988

Por Da Redação 10 set 2012, 23h11

Andy Murray, enfim, quebrou seu jejum de títulos em Grand Slams nesta segunda-feira. Em uma final emocionante e extenuante, o escocês venceu o Aberto dos Estados Unidos ao bater o sérvio Novak Djokovic por 3 a 2 – parciais de 7/6 (12/10), 7/5, 2/6, 3/6 e 6/2 -, após 4h54 de partida. Com o triunfo, Murray também encerrou um hiato britânico de 76 anos sem troféus de Grand Slams, além de confirmar a boa fase neste ano. Em julho, o atual número 3 do ranking da Associação dos Tenistas Profissionais (ATP) foi vice-campeão de Wimbledon, após ser derrotado pelo líder do ranking, o suíço Roger Federer, na decisão e deu o troco dias depois ao sagrar-se campeão olímpico dos Jogos de Londres, derrotando Federer na final. Além de Wimbledon, Murray soma outras três tentativas frustradas em Grand Slams – os Abertos da Austrália de 2010 e 2011 e o US Open de 2008.

Leia também:

Serena Williams vence final incrível e é tetra no US Open

A tenisra russa Maria Sharapova avisa: está solteira

Roger Federer e Maria Sharapova jogarão em São Paulo em dezembro

A partida foi muito equilibrada, principalmente no início, quando Murray conseguiu vencer os dois primeiros sets, principalmente pela qualidade do seu jogo de rede. No terceiro e quarto sets, Djokovic mostrou força no saque e conseguiu superar até com certa tranquilidade o rival, que mostrou nervosismo em diversos momentos. No set decisivo, contudo, Murray mostrou estar mais inteiro na partida, enquanto o sérvio começara a sofrer com caimbras. Com ótimo aproveitamento no primeiro serviço (80%) e contando com 12 erros não forçados do rival, o escocês encurralou o rival para conseguir fechar o jogo em 3 sets a 2. No último ponto do jogo, uma bola rebatida para fora por Djokovic, Murray levou alguns instantes para perceber o erro do rival. Ao se dar conta de que havia vencido a partida, levou as mãos ao rosto e comemorou discretamente, como se não acredita-se no próprio feito.

A conquista histórica do escocês foi acompanhada por compatriotas famosos, entre eles, o técnico do Manchester United, Alex Ferguson e o ator Sean Connery. O último tenista britânico a levantar um troféu de Grand Slam havia sido Fred Perry, que em 1936 conquistou Wimbledon e justamente o Aberto dos Estados Unidos.

Continua após a publicidade
Publicidade