Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Muricy não descarta retorno de Ganso na quarta-feira

Mas o jogador não está tão otimista, e não acredita que vá pegar o Corinthians

Por Da Redação 11 jun 2012, 08h02

A grande incógnita do primeiro jogo da fase semifinal da Copa Libertadores, que será realizado na próxima quarta-feira, na Vila Belmiro, é a escalação de Paulo Henrique Ganso, o camisa 10 do Santos. O jogador foi submetido a uma artroscopia no dia 25 de maio e tem feito de dois a três períodos de recuperação no CT Rei Pelé, diariamente. O retorno é previsto apenas para o segundo jogo, mas o técnico Muricy Ramalho não descarta por completo sua utilização nesta quarta.

O comandante do Peixe garante que irá esperar até instantes antes a bola rolar, quando perguntará ao próprio jogador e aos médicos do clube se há possibilidade de escalação. Contando ainda com a lesão de Arouca, que já faz treinos físicos na baixada, Muricy não confirma o time que enfrenta o Corinthians na quarta.’É muito difícil, ele está quase internado no CT, mas é uma lesão difícil, complicada. A palavra do jogador é fundamental, porque não é um problema só da dor, que já diminuiu muito. O que estava molestando é a dor, que praticamente sumiu, é muito pouco. Existe um problema físico, de confiança, porque é no joelho. A palavra do jogador é fundamental. O jogo é importante, mas cuidar dele é mais ainda mais e eu estou deixando à vontade, sem pressionar. Só vai ser escalado se estiver confiante e bem’, comentou o técnico do Santos, mantendo o otimismo.

A escalação do Santos é um mistério guardado a sete chaves pelo treinador: ‘Tem que ter calma, esperar. Essas lesões me deixam com poucas possibilidades. Agora não posso falar nada porque não tenho realmente o time que enfrenta o Corinthians’.

O próprio Ganso, por sua vez, praticamente descartou a possibilidade de ser usado no primeiro jogo da final e tem se programado para entrar em campo no confronto decisivo, domingo. ‘Estamos correndo contra o tempo. Fico chateado, mas nada que possa aborrecer minha cabeça. Você tem que tirar força de dentro de você. A vontade de estar lá é 1000%, porque é um jogo pra entrar na história. Mas eu estou focado no segundo jogo’, disse, à Rádio Cultura.

(Com agência Gazeta Press)

Continua após a publicidade
Publicidade