Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

MP vai investigar causas do acidente no Itaquerão

Em nota, Ministério Público informa que requisitará laudo para apontar as causas do acidente. Conforme o resultado, será pedida a paralisação das obras

Por Da Redação 27 nov 2013, 15h34

O Ministério Público avisou nesta quarta-feira que a Promotoria de Justiça de Habitação e Urbanismo de São Paulo vai investigar as causas do acidente nas obras do Itaquerão. A queda de uma grua (utilizada para transporte de carga pesada), no começo da tarde desta quarta-feira, destruiu parte da estrutura do novo estádio do Corinthians e provocou duas mortes.

Leia também:

Operários em choque. Uma das vítimas tinha três filhos Guindaste cai sobre parte do Itaquerão e mata 2 operários Há 6 meses, Fifa exigiu pressa e ameaçou excluir estádio

Segundo o MP, já existia um inquérito civil instaurado para investigar a construção do estádio em Itaquera, na zona leste de São Paulo, “tanto sob o aspecto da segurança da edificação quanto dos impactos no entorno”. Agora, o promotor José Carlos Freitas vai solicitar laudo do Polícia Científica para “avaliar as medidas a serem adotadas”.

Leia também:

Fifa lamenta tragédia em obra, que já repercute no exterior Há 6 meses, Fifa exigiu pressa e ameaçou excluir estádio

Continua após a publicidade

Em nota, o MP informa que “requisitará laudo para apontar as causas (do acidente) e eventual comprometimento na estrutura da construção que possa colocar em risco a integridade física e a vida dos futuros frequentadores”. Dependendo do resultado dessa análise técnica, o promotor admite a possibilidade de pedir a paralisação das obras do Itaquerão.

Leia também:

Haddad libera mais R$ 125 milhões para o Itaquerão

Com gramado e traves, estádio já poderia receber jogo

Antigo sonho corintiano, o Itaquerão começou a ser erguido em maio de 2011 pela construtora Odebrecht, com um orçamento de 820 milhões de reais. Escolhido como a sede de São Paulo, o estádio receberá seis jogos na Copa de 2014, incluindo a abertura. As obras seriam entregues até o final de dezembro, mas, com o acidente desta quarta-feira, deve haver atraso.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade