Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

MP exige contratação de voluntários pela Fifa

Para procuradora do Trabalho, Fifa pretende ter "lucros astronômicos", o que descaracteriza condições para trabalho voluntário. Ação cobra 20 milhões de reais de indenização por “dano moral coletivo”

O voluntariado sempre fez parte dos grandes eventos – religiosos, esportivos, de assistência humanitária e até do entretenimento. Para promotores de Justiça do Rio, no entanto, o que está em curso no trabalho voluntário para a Copa do Mundo caracteriza vínculo empregatício, e deveria seguir as leis trabalhistas brasileiras. O Ministério Público do Trabalho no Rio entrou com ação civil pública para “suspender o trabalho voluntário na Copa do Mundo 2014”, informa o site do MPT. Para que continuem a atuar, os voluntários teriam que ser contatados com carteira assinada – e, por consequência, com todos os encargos trabalhistas correndo por conta da Fifa, organizadora do evento.

A ação também pede que o Comitê Organizador Local (COL) pague 20 milhões de reais de indenização por “dano moral coletivo”. A ação vai a julgamento pela 59ª Vara do Trabalho. A procuradora que assina a ação é Carina Rodrigues Bicalho. Ela sustenta que a Fifa pretende “atingir lucros astronômicos, o que afastaria por si só sua capacidade para ser tomador de trabalho voluntário”. Carina argumenta ainda que o programa “não atende o que está prevista na Lei 9.608/1998”, que regula o trabalho voluntário.

“Essa modalidade de prestação de trabalho somente é lícita se o tomador de serviços for entidade pública ou associação com objetivos cívicos, culturais, educacionais, científicos, recreativos ou de assistência social, inclusive mutualidade, e que essa associação não obtenha lucro a partir do trabalho prestado”, especifica a ação apresentada pela procuradora.

A Fifa informa oficialmente que, dos cerca de 152.000 inscritos, 15.000 seriam selecionados para o trabalho. A nota divulgada pelo MPT informa que foram selecionados 14.000 voluntários para ficar à disposição da entidade por pelo menos 20 dias, com turno diário de 10 horas.

“Para se fazer legítima, a exploração do trabalho alheio deve ser remunerada. O trabalho voluntário é sempre uma exceção. É dessa forma – tendo o trabalho remunerado como regra – que o sistema de organização do trabalho se equilibra”, destacou a procuradora.

A ação será julgada em 10 de julho – três dias antes da final da Copa, no Rio. O juiz da 59ª Vara do Trabalho negou o pedido de liminar – que anteciparia os efeitos da ação. Entre os pedidos negados está o de pagamento de 5.000 reais por dia de multa para o período de trabalho sem assinatura das carteiras de trabalho.

Leia também:

A uma semana da estreia, o Brasil é 3º no ranking da Fifa​

Neymar incendeia o time e dá show na goleada da seleção

‘Nós, atletas, não somos do governo’, afirma craque Neymar

Em Goiânia, um público quieto. Até Neymar entrar em ação

Felipão ‘dá um desconto’ por inatividade, mas cobrará mais

Já virou rotina: atrás da seleção, o cordão dos oportunistas