Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Morre operário português que sofreu acidente na Arena da Amazônia

Trabalhador de 55 anos foi atingido na cabeça por uma peça de ferro de um guindaste

O operário português Antônio José Pita Martins, de 55 anos, morreu nesta sexta-feira após sofrer um acidente enquanto trabalhava nas obras da Arena da Amazônia, estádio em Manaus que será uma das sedes da Copa do Mundo de 2014. O trabalhador estaria desmontando um dos guindastes da cobertura do estádio quando uma peça teria caído em sua cabeça, segundo informou a Unidade Gestora do Projeto da Copa do Amazonas (UGP Copa). De acordo com informações de testemunhas, uma peça de ferro que fazia parte de um guindaste caiu na cabeça do operário. Os outros trabalhadores reclamaram da demora no socorro ao colega: conforme os funcionários, Martins ficou cerca de vinte minutos à espera da ambulância. Os primeiros socorros foram prestados por enfermeiros de uma ambulância particular. Só depois o veículo do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) chegou ao local.

Leia também:

Para Aldo, ‘não adianta se desesperar’ com atraso em obra

‘O Brasil está mais atrasado que a África do Sul’, diz Blatter

Custo dos estádios da Copa é mais que o triplo do previsto

Fifa e governo negam descuido com a segurança em obras

​Obras de 2014 somam mais mortes que África do Sul-2010

O operário foi levado ao Hospital 28 de Agosto, que fica próximo à Arena Amazônia, e depois transferido ao Hospital João Lúcio, que tem especialistas em traumatologia, na Zona Leste de Manaus. Martins era um funcionário terceirizado da construtora Andrade Gutierrez, responsável pelas obras do estádio, e trabalhava na Martifer, subcontratada para fazer a cobertura do estádio. De acordo com a UGP Copa, o acidente aconteceu no sambódromo localizado ao lado da arena.

Os operários usavam a área para desmontar um guindaste utilizado na construção do estádio. A Arena Amazônia receberia uma visita do governador do Amazonas, Omar Aziz, e de outras autoridades estaduais nesta sexta. Depois do acidente, a assessoria de imprensa do governo amazonense anunciou que Aziz cancelou a visita. Dois operários morreram na construção da Arena Amazônia, que nesta semana chegou a 96% de conclusão, segundo o último balanço divulgado pela Andrade Gutierrez. Se o cronograma for cumprido, o estádio será inaugurado ainda neste mês. Quatro jogos da Copa serão realizados no local: Inglaterra x Itália, Camarões x Croácia, Estados Unidos x Portugal e Honduras x Suíça.

Protesto – O presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil do Estado do Amazonas (Sintracomec-AM), Cícero Custódio, informou que as obras serão paralisadas e, na próxima segunda-feira, os operários organizarão um protesto. Esta é a quarta morte na Arena da Amazônia e a sétima envolvendo operários que trabalhavam na construção de estádios que receberão jogos da Copa. No ano passado em Manaus, dia 28 de março, o operário Raimundo Nonato Lima Costa, de 49 anos, morreu após cair de uma altura de aproximadamente cinco metros. No dia 14 de dezembro, Marcleudo de Melo Ferreira, de 22 anos, faleceu ao despencar de uma altura de 40 metros – e no dia seguinte José Antonio da Silva Nascimento, de 49 anos, sofreu um infarto enquanto trabalhava na construção do Centro de Convenções.

Outros dois acidentes em obras dos estádios da Copa causaram a morte de operários. A primeira aconteceu em junho de 2012, quando José Afonso de Oliveira Rodrigues, de 21 anos, caiu de uma altura de 30 metros no Mané Garrinha, em Brasília. No dia 27 de novembro de 2013, a queda de um guindaste na Arena Corinthians, em São Paulo, matou os operários Fábio Luiz Pereira, de 42 anos, e Ronaldo Oliveira Santos, de 44 anos.

(Com Estadão Conteúdo e agência Gazeta Press e EFE)