Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Ministro visita o Itaquerão e SP diz que há tempo de sobra

Aldo quer acompanhar retomada dos trabalhos no estádio depois do acidente

Por Da Redação 9 dez 2013, 09h14

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, visitará o Itaquerão na tarde desta segunda-feira, convicto de que confirmará as boas informações que tem recebido sobre o andamento da obra. Aldo afirma estar em contato quase diário com os responsáveis pela construção. De acordo com a vice-prefeita de São Paulo, Nádia Campeão, que também é coordenadora especial da Copa do Mundo no município, as obras voltaram ao ritmo normal depois do acidente em que dois operários morreram. Ela se mostrou segura sobre a conclusão dos trabalhos com tempo de sobra até a Copa.

Leia também:

Torcendo’ por segurança, Blatter espera Itaquerão até abril

​Fifa e Brasil se contradizem, revelando incerteza para 2014

Para governo, Brasil é como ‘noiva atrasada’ no casamento

Estádios atrasados fazem Fifa frear a venda dos ingressos

“O que vai exigir mais tempo é a reconstrução do pedaço afetado pelo acidente. No resto do estádio, as obras estão em um ritmo para que tudo termine no fim de dezembro, como era o previsto, como os holofotes, assentos das cadeiras, asfalto para o estacionamento”, afirmou Nádia. “Isso será concluído no prazo normal.” O cronograma de testes que o Corinthians havia programado para ocorrer a partir de fevereiro poderá sofrer alterações. Mesmo assim, Nádia não encontra motivos para preocupação.

Leia também:

Após acidente, funcionários voltam a trabalhar no Itaquerão

Continua após a publicidade

​​Itaquerão: acidente agrava o aperto causado pelo ‘jeitinho’

Fifa já prevê atraso de 45 a 60 dias nas obras do Itaquerão

Obras de 2014 somam mais mortes que África do Sul-2010

“Assim que tudo for concluído, incluindo a reconstrução da área do acidente, podemos começar os testes com 20% ou 40% da capacidade. São testes de pequeno e médio porte. A data de 14 de abril é para fazer o teste de 100% do estádio”, disse a vice-prefeita, citando o prazo revelado pelo presidente da Fifa, Joseph Blatter, na semana passada. “O acidente provocou uma alteração de 30, no máximo 45 dias, do prazo previsto inicialmente.” Ela acredita que a liberação dos trabalhos na área do acidente poderia ser dada já nesta segunda-feira. “Ninguém quer perder mais tempo.”

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade